PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Bellator nega falsificação de exames e acusa ex-funcionário de roubo

21/07/2016 12h46

Scott Coker é o presidente do Bellator - Divulgação/Strikeforce

Scott Coker é o presidente do Bellator – Divulgação/Strikeforce

Em maio passado, o Bellator, segundo maior evento de MMA do mundo, foi pego de surpresa ao ser processado por um antigo funcionário que entrou com uma ação judicial alegando demissão indevida e acusando a organização de forjar exames médicos de atletas. No entanto, segundo a versão dos dirigentes do torneio, nunca houve manipulação de testes e Zach Light, autor do processo, teria sido demitido por justa causa por, supostamente, ‘desaparecer’ com a renda dos ingressos do evento de número 136.

De acordo com uma publicação do site ‘Bloody Elbow’, o Bellator respondeu às denúncias de Light na última terça-feira (19) e também entrou com uma ação contra o ex-funcionário acusando-o de roubo. Segundo a companhia, uma das funções de Light era coletar o dinheiro arrecadado com a venda de ingressos VIP e transferi-los para a empresa. E a verba do Bellator 136 nunca chegou nas contas da organização.

“Bellator e Viacom negam todas as alegações do autor e adiantam que Light não tem direito a qualquer compensação”, declarou em resposta a organização, antes de acrescentar que o ex-funcionário está sendo acusado de roubo.

“Apesar dos inúmeros questionamentos ao Sr. Light sobre o dinheiro desaparecido dos ingressos do Bellator 136 e os inúmeros pedidos para que ele devolvesse o valor imediatamente, nada foi feito até o momento”, respondeu.

A batalha judicial está apenas começando e só nos resta aguardar as cenas dos próximos capítulos para ver quais acusações realmente são verdadeiras.

Esporte