PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Primeiro-ministro do Japão nega pressão do COI para realização dos Jogos

21/07/2021 08h44

Tóquio, 21 Jul 2021 (AFP) - O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, negou em entrevista publicada nesta quarta-feira que tenha sofrido pressão do Comitê Olímpico Internacional (COI) para manter as Olimpíadas de Tóquio, que permanecem impopulares no Japão devido ao agravamento da situação sanitária por causa da covid-19.

"Nem um pouco", garantiu Suga ao Wall Street Journal. "Havíamos pleiteado as Olimpíadas porque as queríamos", disse ele.

A dois dias da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos e no momento em que as primeiras competições já começaram nesta quarta-feira, Tóquio está preparada e os Jogos serão disputados em segurança, insistiu o primeiro-ministro.

"Se você comparar nossos níveis de infecções em relação aos países estrangeiros, estamos muito abaixo", apontou ele.

Ele lembrou de decisões tomadas na Europa, onde grandes eventos esportivos, como a Eurocopa de futebol e o torneio de tênis de Wimbledon, foram recentemente realizados com a presença de multidões de espectadores e sem máscara, apesar dos níveis de novas infecções muito maiores do que os registrados no Japão.

A capital do país, com 14 milhões de habitantes, detectou nesta quarta-feira 1.832 novos casos de coronavírus, novo recorde local desde janeiro. Diante das grandes preocupações da população japonesa, os organizadores dos Jogos Olímpicos decidiram que quase todas as competições serão disputadas com portões fechados.

Suga, de 72 anos, disse ao Wall Street Journal que recebeu conselhos sobre um cancelamento do evento, mas que decidiu aceitar o desafio de sediar os Jogos.

"A coisa mais simples e fácil era desistir", disse.

"Mas o trabalho do governo é enfrentar desafios", apontou, em um momento em que a popularidade de seu governo caiu para os menores níveis - cerca de 30% - desde que ele assumiu o poder em setembro de 2020.

Seu governo tem sido criticado pela lentidão da campanha nacional de vacinação e por sua gestão da crise sanitária, mas também por sua insistência em organizar os Jogos Olímpicos, apesar da hostilidade da maioria dos japoneses, de acordo com várias pesquisas.

"Adotamos medidas importantes para prevenir contágios", acrescentou Suga.

A vacinação "avança", garantiu ele. Neste momento, 23% da população japonesa recebeu a imunização completa.

hih-sah/ras-etb/dr/psr/aam

Esporte