PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Olheiros no futebol: na Roma, se assiste a mais de "600 jogos por ano"

16/11/2017 15h07

Roma, 16 Nov 2017 (AFP) - Um olheiro da Roma assiste a mais de "600 jogos por ano" em média, explica à AFP Francesco Vallone, coordenador de 'scouting' da diretoria do clube, que em abril contratou o famoso Monchi para fortalecer a janela de transferências romana.

- Como se organiza a cadeia de comando na Roma na hora de contratar? Onde intervém o técnico?

"O departamento de olheiros depende direta e exclusivamente do diretor esportivo. É ele, junto com o técnico, que precisa compreender suas exigências e é ele que busca atender seus pedidos em função do mercado. Tenta trazer ao treinador o máximo de informações possíveis, já que o técnico, obviamente, está mais concentrado na equipe e no trabalho do que no que está acontecendo no futebol internacional. A diretoria esportiva está envolvida no que deseja o técnico. Mas o técnico treina e o diretor esportivo escolhe os jogadores que irão ser treinados."

- Quantas pessoas trabalham como olheiros e qual o perfil profissional que vocês procuram?

"Em primeiro lugar está Monchi, o diretor esportivo, que supervisiona e organiza todas as fases de desenvolvimento da cadeia. Ele quer ter uma relação direta com os olheiros e mantém com eles uma relação constante, semanal ou mensal, seja pessoalmente ou por telefone ou mensagens. Hoje, a estrutura conta com nove pessoas mais um coordenador, no que envolve a equipe principal. Para as categorias de base, temos dois coordenadores e um olheiro em cada região de interesse."

- Como se organiza a busca por jogadores?

"A princípio é feita uma seleção ampla, que cobra uma grande quantidade de campeonatos e competições, desde a primeira à quarta divisão. Além do acompanhamento cotidiano, chegam alertas de todo tipo de fonte. A partir desta seleção há várias etapas de filtro, segundo as posições, as características técnicas, o preço e tudo que possa servir para identificar com precisão um objetivo."

- O que torna tão especial Monchi, que goza da reputação de ser um dos melhores em sua área?

"A personalidade, a clareza de espírito e a precisão absoluta de seus pedidos. O fato de ter uma metodologia muito precisa, com objetivos que são identificados claramente, levando em consideração o tempo, a zona geográfica ou os perfis, o que permite que possamos saber onde nos encontramos a cada momento. Isso permite saber depois em que momento acelerar ou em que momento relaxar a pressão que pesa sobre os olheiros e sobre toda a organização."

- Quantas partidas um olheiro chega a ver por ano?

"Não é possível dar uma resposta precisa. A gente sabe que até um certo número de jogos por dia é possível manter um nível de atenção elevado em relação a vários detalhes. Quando se vai além disso, a atenção acaba caindo inevitavelmente. Sabemos também que alternar jogos no estádio e pela televisão permite manter a atenção. Mas, no total, podemos estimar que a média para um olheiro é de mais de 600 jogos por ano. Mas o que faz a diferença não é que veja 15.000 jogadores, mas sim que seja capaz de memorizá-los."

- Como as novas ferramentas tecnológicas mudaram a maneira de se analisar jogadores nos últimos anos?

"Hoje em dia, todos esses sistemas permitem a todos presenciarem jogos de qualquer lugar do planeta. Isso aumenta a competição e é por isso que é necessário ter a melhor organização possível para chegar em primeiro. No resto, é como em qualquer outra área: saber fazer é o quer diferencia os clubes."

Respostas colhidas por Stanislas TOUCHOT.

Esporte