PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Hamilton explica silêncio sobre guerra entre Israel e Palestina

Lewis Hamilton foi o mais rápido durante o treino classificatório para o Grande Prêmio da Espanha, e conquistou 100ª pole da carreira - EMILIO MORENATTI/Pool via REUTERS
Lewis Hamilton foi o mais rápido durante o treino classificatório para o Grande Prêmio da Espanha, e conquistou 100ª pole da carreira Imagem: EMILIO MORENATTI/Pool via REUTERS

Colaboração para o UOL, em São Paulo

13/05/2021 19h48

Lewis Hamilton usou de seu perfil oficial nas redes sociais para explicar aos seus seguidores o silêncio sobre os conflitos entre Israel e Palestina, no Oriente Médio. Conhecido por ser um grande ativista das causas sociais, o piloto da Fórmula 1 disse que não se posicionou por 'não entender completamente o assunto'.

"Eu não me pronunciei sobre os eventos no Oriente Médio simplesmente porque eu não os entendo completamente. E comentar assim não faria bem algum. Estou tentando aprender e entender, em vez de julgar de forma ignorante", disse ele, que completou:

"O que posso dizer é que todos os dias eu vejo pessoas sofrendo e morrendo e isso acaba comigo. Somos melhores que isso. Fico decepcionado que humanos ainda banalizem a vida, quando é uma das coisas mais preciosas que temos. Estou orando por aqueles impactados por isso."

Desde a última segunda-feira, 10, membros palestinos do Hamas lançaram mais de mil mísseis contra Israel. Em resposta, as forças israelenses organizaram bombardeios em Gaza, deixando dezenas de mortos.

Lewis Hamilton sobre a guerra entre Palestina e Israel   - Instagram - Instagram
Hamilton explica silêncio sobre guerra entre Israel e Palestina
Imagem: Instagram

Outros atletas se pronunciaram

Mohamed Salah usou de seu perfil no Twitter para pedir uma maior mobilização dos líderes mundiais pelo 'fim imediato' dos conflitos entre Israel e Palestina. Em sua publicação, o atacante do Liverpool mencionou Boris Johnson, chefe do governo britânico.

"Apelo a todos os líderes do mundo, incluindo o primeiro-ministro do país onde vivi nos últimos quatro anos, a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que a violência e a matança de pessoas inocentes acabem imediatamente. muito ", escreveu o atacante.

Ele não foi o primeiro a levantar a bandeira contra os últimos atos de violência. Os jogadores Riyad Mahrez e Benjamin Mendy também já se posicionaram e pediram soluções para o que está acontecendo.

Fórmula 1