PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Belo pode ter rendas de mais shows bloqueadas por dívida com Denílson

Divulgação
Imagem: Divulgação

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

26/10/2018 13h06

A disputa judicial envolvendo Belo e Denílson pode fazer com que mais rendas de shows do cantor sejam bloqueadas para o pagamento da dívida. O ex-jogador conseguiu na Justiça que o pagodeiro pagasse mais de R$ 4,7 milhões por quebra de contrato – a defesa de Denílson estima que o valor ultrapasse os R$ 6 milhões com as correções.

O show que Belo fará nesta sexta-feira (26) já terá a renda bloqueada “independentemente da titularidade de tais valores”, de acordo com a decisão proferida pela Justiça nesta semana. Em conversa com o UOL Esporte, o advogado de Denílson, Marco Barreto, afirmou que já possui a permissão para o bloqueio dos valores de outros espetáculos até que a dívida seja sanada.

A decisão da Justiça não bloqueia de imediato a renda. Para que a decisão seja cumprida, é necessário que as casas de shows sejam notificadas da decisão. A partir de então, Belo teria que enviar o borderô do espetáculo para que seja decidido o quanto daquele valor seria retirado para pagar a dívida.

A reportagem tentou contato com a defesa de Belo, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta matéria.

A briga entre Belo e Denílson acontece por causa do tempo em que o cantor estava no grupo Soweto e tinha o ex-jogador como dono dos direitos comerciais da banda. O atual comentarista da Band alegou quebra de contrato unilateral quando Belo decidiu deixar o grupo em 2000.

A ação já foi encerrada, e Belo já não pode mais recorrer da decisão; sua defesa, então, alegou que o artista não teria fundos suficientes para pagar a indenização. A defesa de Denílson alegou por diversas vezes que Belo oculta os bens para não quitar a dívida.

“A pessoa (Belo) aparece na mídia com altos carros, mansões, que na verdade a gente sabe que não é nada dele. O que ele passa é que vive uma vida de rico, quando na verdade não é nada disso”, afirmou Barreto ao UOL Esporte.

Em novembro de 2017, a Justiça de São Paulo já havia determinado que as principais emissoras de TV do país (Globo, SBT, Record, Bandeirantes, Gazeta e Rede TV!) deveriam depositar em juízo eventuais cachês que seriam pagos a Belo.

Esporte