PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Invencibilidade, Pedro no auge e criação inspirada: o que fica para o Flamengo além do ponto no Beira-Rio

26/10/2020 06h05

Aos rubro-negros mais objetivos, um mero olhar para a tabela do Brasileiro leva a crer que o empate no Beira-Rio, no último domingo, é no máximo razoável. A liderança da competição estava em jogo para o Flamengo, que permanece na segunda posição com o 2 a 2 diante do Internacional, mas o futebol apresentado no segundo tempo, sobretudo, traz fatores que empolgam a equipe de Domènec Torrent para a sequência da temporada.

Primeiramente, há de se ressaltar a invencibilidade mantida, somando Brasileiro e Libertadores. Agora, em meio à dura sequência, são 11 jogos sem ser derrotado, com oito vitórias e três empates. Quanto ao Nacional, foram 17 pontos somados dos 21 possíveis: arrancada que o possibilita estar vivo na acirrada briga pelo Troféu Osmar Santos - entregue pelo LANCE! ao campeão simbólico do primeiro turno.

Um segundo fator atende por Pedro. O centroavante, que assumiu a titularidade após lesões de Gabigol, viveu o seu auge coletivo pelo clube. Foi participativo, abriu espaços, serviu os companheiros com destaque e, de quebra, marcou o seu 17º gol pelo Flamengo, que agora o tem, de forma isolada, como o maior artilheiro do clube na temporada - Barbosa tem 16.

- Mais um (gol) com o manto. Estou feliz, a equipe fez um grande jogo. Jogos grandes se resumem a detalhes, mas a glória do Flamengo é isso... É lutar até o final e não desistir. Fizemos um grande jogo. Claro que queríamos sair com a vitória, mas o empate no final teve um gosto muito bom - comentou Pedro, antes de projetar o próximo jogo:

- Agora temos que levantar a cabeça pois quarta-feira tem mais.

Conforme citado por Pedro, o próximo desafio já é nesta quarta, diante do Athletico-PR, na Arena da Baixada e em confronto pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil. Sem tempo para treinamentos mais rebuscados, cabe a Dome se apegar e frisar o que tem dado certo - e reforçar instruções para evitar erros pontuais como os de Isla e Gustavo Henrique, claro.

E um fator que deu muito certo diante do Inter foi a inspiração quanto à criatividade. De acordo com o site Sofascore, das 16 finalizações do Flamengo, 14 foram de dentro da área: uma estatística significativa, sobretudo pelo Internacional ter armado um ferrolho na etapa final. Além disso, seguro e cada vez mais no "automático", o time de Dome ultrapassou a casa dos 600 passes trocados - 617, para ser preciso, com precisão de 87%.

Agora, contando ainda com a volta de Bruno Henrique para reforçar a equipe, o Flamengo viaja para Curitiba com fatores anímicos empolgantes e que vão além do insuficiente - para ser líder - ponto conquistado no Beira-Rio.

Futebol