PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Tiago Nunes: 'Por muitas vezes, achamos o passe e não procuramos o ataque'

26/01/2020 22h28

O Corinthians foi completamente dominado pelo Mirassol na noite deste domingo, na casa do adversário, e escapou da derrota porque foi eficaz numa jogada coletiva que resultou em gol do volante Ramiro, no início do jogo, e porque Cássio estava em noite inspirada. O empate em 1 a 1, selado por gol do meia Camilo, no segundo tempo, expôs fragilidades na equipe comandada pelo técnico Tiago Nunes, que comentou este resultado após a partida válida pela segunda rodada do Campeonato Paulista.

Confira e simule a tabela do Paulistão

- O Mirassol marcou pressão, e nós saímos várias vezes dessa pressão. Achamos o passe do volante, do meia. Mas, por muitas vezes, achamos o passe e não procuramos o ataque. Voltamos para manter a posse de bola. A posse de bola tem de ser o meio para se chegar ao ataque, e não o fim. Eu tenho certeza de que várias equipes vão nos marcar em cima. Estamos criando repertório para sairmos dessas situações e, quem sabe, aproveitarmos uma bola de velocidade - disse o treinador.

Tiago ainda avaliou a atuação de Pedro Henrique. O zagueiro recebeu críticas de torcedores por ter errado em saídas de bola.

- O Pedro foi muito utilizado na saída pelo lado direito, tem a facilidade por jogar com o pé forte por ali. De fato tomou algumas decisões. O que tenho falado com ele é que não tem que provar nada para ninguém, tem minha confiança. Não precisa tentar corrigir o erro com outra ação que não seja simples. Quando você é mais exposto, tem mais chance de errar. É um processo natural de aprendizado - afirmou o comandante.

A próxima partida do Corinthians no Estadual será na próxima quinta-feira, às 21h30, contra a Ponte Preta, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Tiago Nunes deu a entender que pode mudar o time para esta partida.

- É um preço que vai se pagar pela sequência dos jogos. Repeti o time (em relação ao que goleou por 4 a 1 o Botafogo-SP na estreia) para dar entrosamento e condicionamento através do jogo. Eu penso em oito a dez jogos uma média boa para evoluir fisicamente. Vamos avaliar pontualmente quem é o jogador que sentiu mais para mudar ou não a equipe para o próximo jogo - disse o técnico.

Futebol