PUBLICIDADE
Topo

Rossi mostra bom humor em primeira coletiva com a camisa do Bahia

"Estou muito feliz de fazer parte desse projeto ambicioso e espero suprir as expectativas", disse atacante ex-Vasco - EC Bahia/Divulgação
"Estou muito feliz de fazer parte desse projeto ambicioso e espero suprir as expectativas", disse atacante ex-Vasco Imagem: EC Bahia/Divulgação

16/01/2020 10h10

O bom humor e a felicidade foram elementos marcantes na entrevista coletiva dada ontem pelo atacante Rossi no Bahia, em sua apresentação oficial.

Logo em sua primeira resposta, Rossi deixou ainda mais evidente o bom momento vivido fora das quatro linhas em relação a imagem de seriedade e projeto consistente de gestão apresentado nos últimos anos pelo clube.

"É muito fácil escolher o Bahia. Uma estrutura como essa, um treinador de nível de Série A e o elenco como está sendo montado... Acho que, de qualquer jogador, os olhos vão brilhar para o Bahia quando vier uma proposta, comigo não foi diferente. A concorrência realmente era grande, estou muito feliz de fazer parte desse projeto ambicioso e espero suprir as expectativas", disse.

Apesar de natural da cidade de Prainha, no Pará, o atleta atualmente com 26 anos de idade jamais tinha tido a oportunidade de atuar em uma equipe da região Norte ou Nordeste do país. Algo que, aliás, ele confessa que tinha grande curiosidade em conhecer qual seria a sensação.

"Eu tinha a curiosidade de saber como era a energia do povo do Nordeste em relação ao futebol e, nas redes sociais, eu já senti como é o calor da torcida do Bahia. Joguei em muitos clubes do eixo (Sul e Sudeste) e tenho certeza que vou ser muito feliz no Bahia aqui no Nordeste", assumiu Rossi.

Comentando tanto sobre a sua capacidade de roubadas de bola como nas assistências dadas em 2019 sendo o líder do quesito no Vasco, ele brincou afirmando que tem como grande desejo consagrar os centroavantes do elenco Tricolor:

"Eu fui também o número um em assistências no último clube que passei e eu tenho três grandes centroavantes agora, Arthur Caíke, que joguei com ele na Chape, Gilberto e Fernandão, quero encher eles de gols. Tem também o Clayson que foi líder de assistências no time dele, então os centroavantes estarão bem servidos. Vamos fazer de tudo e trabalhar forte para ajudar eles."

Bahia