PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Ídolo, Felipão, seleção... Dudu tenta coroar ano de destaque com título

Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

18/10/2018 15h12

Líder de assistências do Palmeiras no ano, com 15 passes para gol, Dudu sente viver mais uma temporada de destaque pelo clube que passou a defender em 2015 e que já deixou para trás uma polêmica publicação no Instagram em que se mostrou triste por não ir para a China. O camisa 7 admite que cresceu com a chegada de Luiz Felipe Scolari, em julho, e tem a volta à seleção brasileira como uma de suas metas, mas sabe que tudo terá real valor apenas se for campeão em 2018.

"Não gosto muito de falar. Prefiro estar em campo, aparecendo pelo que faço em campo, não pelo que falo ou pelo que faço na internet. Depois desse episódio, venho mostrando isso dentro de campo. Depois do Campeonato Paulista e do primeiro semestre, nosso time todo vem demonstrando. Falta um mês e meio, dois meses praticamente, para acabar a temporada. Se não confirmarmos tudo que temos feito, o ano não será legal. Temos tudo para acabar o ano bem e temos de continuar fazendo o que temos feito para, no final do ano, comemorar algo legal", disse o atacante, preferindo não responder diretamente se sente ídolo do Verdão.

"Deixo para torcida e pessoas falarem isso. Eu me considero importante para o clube, por tudo que represento desde 2015, sempre fazendo grandes temporadas, com números bons. Desde 2015, quando cheguei, todo ano estou entre os principais que dão passe para gol, e procuro aprimorar isso nos treinamentos e nos jogos. Espero fazer mais gols ainda neste ano. Se der tudo certo, são 13 jogos, e espero fazer os 13 jogos, com gols e ajudando meus companheiros com passe. Mas deixo para a torcida falar e mantenho os pés no chão. Tenho muito a conquistar no clube, e espero conquistar", comentou, sem esconder a alegria pelo relacionamento com Felipão, mesmo ouvindo o chefe chamá de "filho de 1,10m".

"Desde o Grêmio, a gente se deu muito bem. No Palmeiras, vem me ajudando muito. Mesmo na China, a gente se falava pelo celular. Temos um amigo aqui e sempre falamos com ele. Mas ele errou no 1,10m. Já sou pequeno, se me diminuir mais ainda, fica ruim. mas temos carinho um pelo outro. Que juntos, com o resto do time, possamos trazer alegria pro torcedor", comentou.

"O Felipe é um cara por quem tenho muito respeito e carinho. Com os outros, também tive muito respeito, mas, com o Felipão, tem um carinho especial dele comigo e eu com ele, por termos trabalhado e ido bem no Grêmio, e agora temos feito um bom trabalho também no Palmeiras. Ele chegou, confiou no meu trabalho, também confio nele, e meus colegas confiam em mim. É isso que importa", declarou, sem esconder o sonho de ser chamado por Tite, que o colocou na lista de espera da Copa do Mundo deste ano.

"Sou muito tranquilo com isso. Sonho de todo jogador é ir para a Seleção, é o topo. Chegar lá é muito difícil, e se manter é mais difícil ainda. Tem grandes jogadores, grande concorrência. Fazendo o meu trabalho, e o time indo bem, pode aparecer a oportunidade, como já apareceram outras vezes. Quero aproveitar da melhor maneira."

Confira outros temas abordados por Dudu nesta quinta-feira:

Retomada na temporada

"A gente trabalhou durante o ano todo para estar bem neste momento. Saímos de uma competição por coisas que não deveriam ter acontecido, mas estamos bem no Brasileiro e na Libertadores. O Palmeiras vive um grande momento. Não só eu, mas o time. Temos grandes jogadores em grande fase. Isso é o maior importante. Quando o time está bem, todos estão bem. Assim, sempre estaremos na disputa de títulos."

Proposta da China

Até o Roger tinha falado comigo, que isso acontece na vida do jogador de futebol. Às vezes, você recebe uma proposta e não dá certo de ir. Naquele momento, falei uma coisa que todos ficaram meio chateados comigo. Era coisa que estava no momento. Todos me conhecem e sabem do meu empenho, da vontade de defender o Palmeiras. Naquele momento, aconteceu aquilo e pude superar. A torcida sabe do carinho que tenho pelo clube. Sempre que entro em campo, é para defender essa camisa com muita vontade. Isso nunca faltou em mim e nunca vai faltar."

Deyverson

"Ele é tranquilo. Sempre fiz isso, o jogo dele é esse. Quando chegou, não vinha bem, mas agora está dando certo. Todos que o Felipe coloca no campo vão bem e ajudam o clube. Se continuar pilhado e fazendo gol, pode continuar desse jeito."

Pensa no Boca Juniors?

"Sinceramente, só pensamos no Ceará. Arrisco dizer que o jogo será mais difícil do que foi contra São Paulo e Grêmio. Eles vêm lutando para sair da zona de rebaixamento e melhoraram muito com o Lisca. Precisamos estar bem concentrados e focados para vencer."

Melhora com Felipão

"Não só eu, mas todos melhoraram o rendimento. Não importa quem ele coloca me campo. Meus números cresceram bastante com ele. Fico feliz, ele dispensa comentários por tudo que já conquistou no futebol. Aqui, tem respaldo de torcedores e diretoria, ninguém questiona o que ele faz, o que ele decide e como trabalha. Ele tem recuperado jogadores importantes que estavam um pouco para baixo, subiu a autoestima. Faltam muitos jogos ainda, muito campeonato pela frente, mas estamos no caminho certo."

Escalação para domingo

"Estamos todos bem e querendo jogar. Esperamos que o time que ele montar vá forte e vença. É um jogo muito difícil. Empatamos com eles no primeiro turno, jogarão fechado. Quem entrar, que ajude o Palmeiras a vencer."

Mais calmo em campo

"Às vezes, sou muito chato por não gostar de perder nem de jogar mal. Fico chateado. Falam que reclamo muito com os juízes, mas estou melhorando e espero melhorar bem mais. Quero continuar desse jeito, ajudando os companheiros."

Prefere ser quem mais faz gols ou dá mais assistências?

"Pode combinar os dois. O importante é o Palmeiras. Penso só no Palmeiras. Se ajudo com gols ou assistências, legal. Sempre coloco em primeiro lugar o grupo, e deixo objetivos pessoais para segundo plano."

Esporte