PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Felipão diz que aproveitamento baixo em pênaltis pode ser algo psicológico

23/08/2018 00h02

Felipão ficou satisfeito com a vitória do Palmeiras no Allianz Parque, diante do Botafogo, na noite desta quinta-feira. Mas a partida em casa trouxe à tona um dos problemas do Verdão: o aproveitamento baixo nas cobranças de pênaltis. Dudu bateu no canto esquerdo e Saulo defendeu: foi a quinta penalidade seguida desperdiçada por jogadores do Alviverde. Antes dele, Felipe Melo, Keno, Bruno Henrique e Jean perderam.

Para o treinador, pressão psicológica nos atletas pode estar fazendo a diferença contra o Palmeiras. Algo que precisará ser corrigido.

- Treino 100 pênaltis por dia. Chega de treino! Pode ser o psicológico (os erros), quem sabe eu esteja cobrando e o Palmeiras esteja cobrando, vocês da imprensa estejam cobrando e vamos dar um tempo. Mas todos temos de saber que algumas competições podem ser definidas por pênaltis. Temos de lembrar que o Palmeiras ganhou a Libertadores nos pênaltis. Precisamos de bons batedores e um bom goleiro. Digo que não vou treinar, mas vou treinar, vou tentar corrigir, modificar algumas coisas para quando acontecer alguma situação o pênalti seja convertido - analisou, e completou, durante entrevista coletiva:

- A lista hoje era Borja, se ele não estivesse era Bruno Henrique, e se não estivesse era o Dudu. Não estavam os dois primeiros e foi o Dudu. Ele errou, mas se fizemos um apanhado do Dudu no dia de hoje, com o pênalti errado e tudo, dá para dar 8,5, 9 para ele. Fantástico, muito bem. Vamos tentar corrigir esta situação.

Mais do que cobranças de pênaltis, Felipão espera melhorar o rendimento do Palmeiras em todo tipo de jogadas. Nesta quarta-feira, Lucas Lima marcou os dois gols da vitória, um dele de falta, e ganhou elogios do comandante. O camisa 20 é um dos que briga pela vaga entre os titulares e deve ganhar cada vez mais espaço com o rodízio do elenco promovido pelo técnico.

- Precisamos melhorar o índice e nossa qualidade na bola parada. Pênaltis, faltas, que não estamos conseguindo traduzir em gols uma bola que às vezes é muito fácil. É o que temos de melhorar. O Lucas Lima tem tido uma evolução e uma vontade no treinamento. Quando entra nos jogos, sabemos que ele pode render. No treino, ele modificou desde que chegamos e vimos algumas estatísticas de resultados de treinos e modificou para muito mais. Quando ele modifica para muito mais, a gente já vê situações que ele pode participar mais, do início do jogo, ou para alguns jogos tirando alguém de contenção. Ele está ganhando espaço por sua determinação e qualidade - ponderou Felipão.

- O jogo foi complicado desde o início, o Botafogo veio posicionado, tivemos algumas dificuldades no início do jogo pela colocação do Felipe (Melo), do Moisés e do Bruno (Henrique) que não deu certo no início, depois as coisas seguiram melhor. A colocação do Lucas Lima foi porque vimos a oportunidade de trabalhar em um setor que o Botafogo permitia, e ele tem a qualidade fantástica para armar a equipe. Foi a substituição para tentar concatenar melhor as jogadas. Tivemos as melhores chances, vencemos o jogo, demos mais um passo rumo à disputa que queremos ter no Brasileirão e vamos passo a passo, indo onde desejamos em todas as competições - finalizou.

Desde que retornou ao comando do Verdão, Felipão ainda não sofreu gols. A defesa está invicta há oito jogos. Com o treinador, são cinco vitórias e um empate. O Palmeiras está disputando Copa do Brasil e Libertadores, além do Campeonato Brasileiro.

Esporte