PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Com liberdade, Rodrygo impressiona e ajuda a preencher lacuna no Santos

26/07/2018 06h15

Embora o gol tenha sido marcado por Gabriel, o empate do Santos com o líder Flamengo, na noite da última quarta-feira, na Vila Belmiro, foi construído nos pés de Rodrygo. Aos 17 anos, o garoto deu um show à parte na partida em casa. Com liberdade para transitar do meio-campo para o ataque, funcionou como uma espécie de elo entre os dois setores e usou o lado direito para preencher a lacuna deixada pela falta de um meia de ofício no time.

Foram 30 passes certos e apenas seis errados. No lance do gol, foram três marcadores do Flamengo deixados para trás. Por ao menos oito vezes o jogador conseguiu chegar à linha de fundo para tentar o cruzamento. Cobrou falta, cobrou escanteio e teve a torcida a seus pés para tentar inúmeros dribles e jogadas de efeito. Livre em campo, impressionou - principalmente no primeiro tempo do duelo contra o Rubro-Negro.

Ainda com base nos dados apresentados pelo Footstats, o jogo contra o Flamengo foi onde Rodrygo mais passou a bola. No Campeonato Brasileiro, ainda não havia acertado tantos passes em uma mesma partida como na noite da última quarta-feira. Enquanto os meias Carlos Sánchez e Bryan Ruiz não estão à disposição no Peixe, o Rayo aparece como uma boa opção para fazer a transição no setor.

Como um todo, o Santos apresentou-se de maneira mais organizada em relação aos últimos jogos. Foi o primeiro de Serginho Chulapa como interino da equipe em 2018, após a demissão de Jair Ventura. Energia, disposição e entrega também não faltaram. A lacuna no meio-campo, de fato, pareceu ter sido preenchida pela excelente atuação de Rodrygo no setor. O problema é que o time voltou a apresentar erros nos fundamentos mais básicos, algo que precisa ser corrigido no dia a dia.

No total, foram 11 finalizações erradas e apenas duas certas - uma delas uma bomba de Victor Ferraz que terminou com defesa de Diego Alves. Com o cruzamento como arma recorrente, 26 tentativas foram equivocadas, contra seis certas. Além de 44 passes errados - neste quesito, porém, 336 foram trocados com precisão.

Melhorar a pontaria e acertar as tentativas de bolas alçadas na área são duas das missões do futuro técnico do Santos. Com um garoto tão promissor quando Rodrygo no elenco e a chegada de reforços para o setor considerado mais carente, o Peixe pode reagir e salvar a temporada se for bem trabalhado nos próximos meses. Cabe ao grupo parar de flertar com o insucesso.

Esporte