PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Oposto e inspiração? Jean vive caso semelhante para repetir Cássio

21/07/2018 13h30

Recém-contratado, o goleiro ganha a chance de ser titular em um jogo de grande importância. Lendo assim, parece que o assunto é Jean, que substituirá Sidão, suspenso, no São Paulo que enfrenta o Corinthians, às 21h deste sábado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro. Mas essa já foi a história de Cássio, há mais de seis anos.

Se o gol alvinegro tem hoje um dono incontestável, bem diferente do que ocorre no Tricolor, as dúvidas eram constantes no setor no Timão em 2012. Não à toa, o Corinthians buscou Cássio naquele ano - o goleiro surgiu promissor no Grêmio e nas categorias de base da Seleção, mas pouco atuava no PSV, da Holanda.

Tite decidiu promover Cássio a titular logo logo nas oitavas de final da Libertadores, contra o Emelec, do Equador, em maio de 2012, já que Julio Cesar vinha falhando. Deu tão certo que o goleiro se firmou como ídolo do Corinthians, conquistando com destaque aquela Libertadores e o Mundial de 2012, acumulando ainda pelo clube dois títulos brasileiros (2015 e 2017), três paulistas (2013, 2017 e 2018) e uma Recopa Sul-Americana (2013). E Tite ainda o levou para a última Copa do Mundo.

Cássio tinha 24 anos de idade quando virou titular. Jean, hoje, tem 22 anos. Chegou do Bahia, em dezembro, com o São Paulo pagando R$ 6 milhões por 75% dos seus direitos econômicos - se ele for escalado com mais frequência, a negociação pode chegar aos R$ 10 milhões. Com o cartão amarelo que Sidão recebeu na vitória por 1 a 0 sobre o Flamengo, na quarta-feira, o camisa 1 tem nova oportunidade de se firmar de vez.

Muitos torcedores querem Jean no gol. Pelo desempenho nos treinos, também apostava-se no clube que ele assumiria a posição assim que Sidão vacilasse. A chance, porém, apareceu. Em 28 de fevereiro, Sidão teve lesão muscular no aquecimento de jogo contra o CRB, no Morumbi, pela Copa do Brasil. Jean teve, a partir dali, uma sequência de seis partidas. E não ficou.

Jean fez grandes defesas, mas ficou marcado por falhas no Campeonato Paulista. Uma delas ao tentar sair jogando com o pé no gol que levou contra o Red Bull, na vitória por 3 a 1 do Tricolor, no Morumbi, em 11 de março. Depois disso, na estreia do técnico Diego Aguirre no clube, no Anacleto Campanella, errou na saída do gol no lance que definiu a vitória do São Caetano por 1 a 0, em 17 de março, na ida das quartas de final do Estadual. Aguirre, então, promoveu logo a volta de Sidão, recuperado fisicamente, no jogo seguinte.

Jean nunca mais atuou. Entrará em campo neste sábado pela primeira vez depois de quatro meses. Nesse intervalo, ficou marcado por uma indisposição pública com Sidão nas redes sociais, encerrada só com a participação da comissão técnica. E o camisa 1 ainda levou um susto na quinta-feira, ao levar um pisão no pé esquerdo e deixar mais cedo logo o primeiro treino depois da confirmação de que voltará a ser titular. Mas está confirmado para o clássico.

Do outro lado, dúvidas não fazem parte do cotidiano de Cássio há muito tempo. O goleiro, inclusive, acaba de ter uma de suas maiores atuações na camisa do clube em que já fez histórias, com grandes defesas na vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo, em Itaquera, na quarta-feira, na primeira mostra de que o mês que passou treinando com a Seleção Brasileira pôde torná-lo ainda melhor, mesmo já aos 31 anos de idade.

São essas as situações completamente opostas nos dois gols do Majestoso da noite deste sábado. Cássio, obviamente, já não tem mais o que provar com a camisa do Corinthians. Cabe a Jean provar que o que hoje é oposição pode virar uma inspiração para ele construir sua história no São Paulo.

Esporte