Gustavo Heide é primeiro brasileiro confirmado na chave principal do Rio Open de 2024

O tenista Gustavo Heide é o primeiro brasileiro confirmado na chave principal da histórica edição de 10 anos do Rio Open, em 2024. O atleta conquistou a IV Maria Esther Bueno Cup e ganhou um convite para a disputa do ATP 500, que acontecerá entre os dias 17 e 25 de fevereiro no Jockey Club Brasileiro.

Heide se junta a outros grandes nomes do tênis confirmados, como o espanhol Carlos Alcaraz, número 2 do mundo, o suíço Stanislas Wawrinka, campeão de três Grand Slams e o francês Arthur Fils, representante da nova geração do esporte.

"O Rio Open não é apenas o ATP 500 que acontece no Rio de Janeiro. Tentamos trabalhar em diversas frentes, sustentabilidade, diversidade e como não poderia deixar de ser, no incentivo ao crescimento do tênis brasileiro. Este foi o principal motivo da criação da Maria Esther Bueno Cup", comentou o diretor do torneio, Thomaz Costa.

"E a cada edição, nossa ideia se mostra mais acertada. Esses jovens garotos que fizeram jogos incríveis nesta semana, certamente estarão em breve despontando no ranking mundial. Não queremos apenas trazer os melhores tenistas do mundo. Queremos ajudar a fazer novos grandes tenistas", completou.

Na tarde deste domingo, nas quadras de saibro da Sociedade Harmonia de Tênis, em São Paulo, Heide, que recentemente se mudou de Ribeirão Preto para o Rio de Janeiro, derrotou Gilbert Klier com um duplo 6/4 e coroou a excelente temporada de 2023.

"Estou muito feliz, é um sonho sendo realizado. Estou terminando o ano com chave de ouro, com esse wild card para o Rio Open. Todo tenista sonha em jogar torneios ATPs, ainda mais sendo um ATP 500 disputado no Brasil", comemorou o atleta de apenas 21 anos.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Ver esta publicação no Instagram

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Em 2024, o Rio Open chega a sua décima e histórica edição. Quando Rafael Nadal levantou o troféu de campeão em 2014, no primeiro ano do ATP 500, Heide tinha apenas 12 anos e assistia pela TV, sonhando em se tornar profissional.

"Em 2014, eu tinha 12 anos. Eu estava jogando campeonatos brasileiros, sonhando em ser profissional, assistindo aos jogos pela TV e agora vou ter a minha oportunidade de jogar", contou o atual número 224 do ranking.

Nomeada em homenagem à maior tenista brasileira da história, campeã de 19 Grand Slams, a Maria Esther Bueno Cup é uma iniciativa do Rio Open para incentivar a nova geração do tênis nacional. O campeão da competição recebe um convite na chave principal do ATP 500 brasileiro, enquanto o vice-campeão se garante no qualifying.

"Maria Esther é uma lenda, é gigantesca, não tem nem o que falar. Estou muito feliz de ganhar esse Torneio que leva o nome dela, ainda mais na quadra que ela treinava. Só tenho que agradecer a todos por esse torneio, por essa oportunidade", finalizou Gustavo Heide.

Francisca Jorge vence o São Paulo Tennis Classic

A portuguesa Francisca Jorge foi coroada neste domingo como a campeã do São Paulo Tennis Classic. A jogadora de 23 anos, nascida na cidade de Guimarães, não teve dificuldades para desbancar o favoritismo da cabeça 1 do torneio, a lituana Justina Mikulskyte, na vitória por duplo 6/1, em 1h35min de jogo.

Continua após a publicidade

Com a conquista, Jorge alcança o seu quinto troféu ITF na carreira, soma 50 pontos no ranking mundial da WTA e recebe a premiação de US$ 3.935,00, o equivalente a R$ 19.405,00.

"Foi muito importante vencer este torneio, até porque estou numa fase final de temporada e todos os pontos contam para tentarmos jogar os melhores eventos no início do próximo ano", explica.

As parciais com ampla margem surpreenderam as tenistas e o grande público presente no Kosmos Clube, especialmente por este duelo ser um confronto direto entre as duas principais cabeças de chave. O grau de exigência menor, entretanto, não diminuiu a emoção e o peso da conquista, como explica a portuguesa.

"Eu não sabia nem como celebrar, fui tomada pela emoção (de ser campeã). Senti que joguei muito bem, ela não teve o seu dia mais positivo. O resultado não mostra o que foi o jogo, um placar que caiu para o meu lado. Eu fico super contente, sei que esta vitória irá me lançar para passos maiores", afirma Jorge, agradecida pelo carinho recebido dos brasileiros nesta semana.

A vice-campeã Mikulskyte lamentou a baixa performance e exaltou a experiência de jogar no Brasil pela primeira vez.

"É difícil falar neste momento, mas nunca é fácil perder, ainda mais quando você não consegue jogar bem em uma final, um jogo tão importante. Parabenizo minha adversária pela vitória, posso dizer que gostei de jogar pela primeira vez no Brasil, fui muito bem recebida e espero voltar mais vezes", finalizou a vice-campeã de 27 anos.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes