Presidente do São Paulo lembra chapa com Silvio Santos: 'Ganharíamos'

Julio Casares, presidente do São Paulo, relembrou ao "The Noite", do SBT, um momento vivido com o chefão da emissora, Silvio Santos.

Silvio (quase) prefeito com apoio de Casares

O atual comandante do Tricolor, por pouco, não formou chapa com Silvio Santos para a prefeitura de São Paulo nas eleições de 1992. Na época, Casares atuava tanto como advogado como radialista.

Parceria inusitada. "Eu sempre sonhava com um candidato popular, empresário e, na minha visão, o Silvio era essa pessoa perfeita. Eu tinha um programa de rádio em que colocava minhas opiniões políticas e o Silvio me ligou. Pensei que fosse um trote. O Silvio ligou dizendo: 'Você está fazendo uma oposição sadia, lutando por São Paulo e eu vou colocar o meu nome'. No dia seguinte, em abril de 1992, ele foi na minha casa, lá no extremo leste, dirigindo o carro dele e sozinho."

Encontro pouco político. "Conversamos e falamos de tentar fazer dele o prefeito. A gente sabia das dificuldades. Como um ser fora da política, o Silvio não negociava, assim como eu também não tinha esse hábito — que faz parte da política até de forma natural. Mas o Silvio era numa linha muito racional, empresário, isso espantou os políticos".

Sonho interrompido. "Tínhamos uma pesquisa que se nós fôssemos candidatos, ganharíamos no primeiro turno. Aí começaram a vir as dificuldades... Registramos nossa candidatura, mas teve um imbróglio jurídico onde os interesses maiores não deixaram o Silvio ser candidato.

Silvio fora dos palanques. "Acho que foi bom para o SBT, para mim e para todos, menos para a população de São Paulo, porque ele seria um grande prefeito".

O que mais Casares falou ao "The Noite"?

Copa do Brasil. "Foi um título que faltava na nossa galeria. Foi difícil, suado, mas foi uma conquista que completou os grandes títulos do São Paulo "

Torcedor e presidente. "Você tem o mesmo sentimento do torcedor. Presidente de clube é assim: se ganha quarta-feira, é herói, mas se perde no domingo, é bandido. Tenho esse sentimento e tento interpretar essa vontade, sem comprometer o lado racional de gestor."

Continua após a publicidade

Renovação de Lucas. "Estamos otimistas... Temos que ver o lado da família e do atleta. Tem ainda um jogo e, depois, vamos nos sentar. Vou dizer que estamos otimistas, mas com respeito ao mercado. Se por um acaso vier uma proposta daquelas que não pudermos nos aproximar, fica inevitável ele não ficar. Mas acredito que o que ele encontrou no São Paulo vai fazer com que a família dele, que está muito feliz, também ajude para que ele fique".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora