PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Arena MRV pode custar mais de R$ 700 milhões; venda de cativas é a solução

Projeção de como ficará a Arena MRV, estádio do Atlético-MG - Divulgação/Atlético-MG
Projeção de como ficará a Arena MRV, estádio do Atlético-MG Imagem: Divulgação/Atlético-MG

Victor Martins

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte (MG)

08/12/2021 04h00

As obras da Arena MRV seguem dentro do cronograma, e o futuro estádio do Atlético-MG deve ficar pronto em outubro do ano que vem. Mas, se o ritmo da obra vai dentro do planejado, o que tem tirado o sono dos responsáveis pelo empreendimento é o custo final. Atualmente, a projeção está acima dos R$ 700 milhões, muito mais do que os R$ 410 milhões calculados em 2017, ou dos R$ 560 milhões projetados em abril de 2020, quando começou a construção.

A inflação do período, a elevação no preço dos insumos e o aumento da capacidade do estádio são algumas das explicações para o valor final subir de R$ 410 milhões para 560 milhões, de 2017 para 2020. Mas nada que preocupasse num primeiro momento. Alguns ajustes foram o suficiente para compensar a diferença. Mas o que não estava no planejamento eram as contrapartidas feitas pela Prefeitura de Belo Horizonte. São mais de R$ 100 milhões que não estavam nas contas iniciais do clube.

Embora o Atlético tenha alguns mecenas que garantiram a montagem do time campeão brasileiro, no quesito estádio a situação é diferente. Claro que, sem o suporte deles, o projeto jamais sairia do papel, mas o dinheiro para a construção é 100% do clube. Venda de camarotes e cadeiras, a negociação de naming rights e a venda de metade de um shopping localizado na região Centro-Sul de Belo Horizonte são alguns dos ativos que o clube usou para fazer dinheiro. Somente nessa última negociação o Galo pegou R$ 250 milhões, que se tornaram cerca de R$ 300 milhões por causa dos juros.

A conta que era perfeita em 2017 não serve para 2022, justamente pelas contrapartidas impostas pela Prefeitura. O Atlético precisa levantar mais recursos para concluir a obra sem depender da grana de terceiros. Por isso, em breve, o clube vai colocar à venda cadeiras cativas em novos setores. Foram disponibilizados ao público cerca de 4,6 mil assentos, de um local exclusivo para cativas, com preços que variam de R$ 35 mil a R$ 45 mil. Menos de mil unidades ainda estão disponíveis.

As cativas e os camarotes, na verdade, são uma antecipação da renda dos jogos. Quem comprou uma cadeira ou camarote terá direito a entrar nas partidas oficiais do Atlético durante os primeiros 15 anos na Arena MRV.

Com todos os ativos negociados até o momento, o clube já tem garantidos cerca de R$ 600 milhões, valor que é o suficiente para cobrir os custos totais das obras do estádio. Porém, para atender aos pedidos da prefeitura e fazer as melhorias externas, como passarelas e pistas marginais, serão necessários mais de R$ 100 milhões.

Portanto, mais algumas centenas de cadeiras serão disponibilizadas ao público, agora em setores diferentes. Não vai faltar dinheiro para concluir todas as obras, mas é certo que essa decisão afetará a bilheteria do clube nos primeiros anos de operação da futura arena.

Futebol