PUBLICIDADE
Topo

Liga dos Campeões - 2021/2022

Ídolo rubro-negro, Jorge Jesus ainda não conquistou os Encarnados

Jorge Jesus comanda o Benfica durante a partida contra o Barcelona na Liga dos Campeões - REUTERS
Jorge Jesus comanda o Benfica durante a partida contra o Barcelona na Liga dos Campeões Imagem: REUTERS

Fátima Lacerda

Colaboração para o UOL, em Portugal

24/10/2021 04h00

Classificação e Jogos

Dois anos separam Jorge Jesus do comando do Flamengo, mas até hoje o nome do homem que levou o clube à conquista da Libertadores e a vários recordes em 2019 é motivo de reverência entre os torcedores rubro-negros. Porém, em sua segunda temporada à frente do Benfica (clube que também comandou entre 2009-2015), o treinador ainda não conta com a confiança incondicional dos Encarnados.

Líder do Campeonato Português (21 pontos) e vice-líder do Grupo E da Liga dos Campeões, o Benfica volta a campo hoje (24), às 14h (de Brasília), contra o Vizela (12º), fora de casa, pelo torneio nacional com seu comandante ainda sob o escrutínio de uma torcida desconfiada.

Na noite da última quarta-feira (20), o torcedor do Benfica reencontrou seu time no estádio da Luz pela primeira vez desde que o mundo capotou com o início da pandemia de covid-19. Guardado pelas duas águias (símbolo do Benfica), o estádio tinha lotação quase normal para o duelo contra o Bayern de Munique pela Champions; só faltaram os setores das organizadas. Isso devido ao protesto contra a obrigatoriedade da vacina para entrar no local.

Brilharam pela ausência. O futuro com a normalidade de antes ainda demora a chegar. Mas, mesmo que o Zeitgeist (espírito do tempo em tradução livre) se role de rir sempre que ousamos e teimamos na volta à "normalidade", o jogo entre Benfica e Bayern foi, em varias formas, determinante e sucinta mudança de mentalidade no time.

benfica - Octavio Passos/Getty Images - Octavio Passos/Getty Images
Torcida do Benfica no Estádio da Luz durante jogo contra o Bayern de Munique
Imagem: Octavio Passos/Getty Images

Nervos de aço

O jogo, propriamente dito, pelo menos nos 70 minutos, mostrou um outro Benfica, com nervos de aço, segurando firme a pressão violenta do clube bávaro, apesar da vitória por 4 a 0 dos visitantes. Esse feito se deve a um treinador que exibe no passaporte o mais emblemático nome de Jesus. E como bandeira pouca é bobagem, ainda leva o apelido de "Messias".

Jorge Jesus denomina o estádio da Luz de "Minha Casa", como alegou recentemente em evento sobre seu desempenho no futebol brasileiro. Porém, os torcedores não esqueceram a sua ida "para o inimigo", o Sporting, em 2015. Depois de 15 meses no Flamengo, com a conquista de títulos e recordes, ele voltou cheio de gás para o Benfica. Mas será mesmo que ele é o cara que vai neutralizar a maldição rogada nos anos 60 pelo ex-treinador Béla Guttman?

O húngaro temperamental não foi "só" o que levou o time português ao topo do Olímpio europeu, conquistando duas vezes seguidas (1961/1962) o troféu que hoje é conhecido como Orelhuda, mas mantinha o clube como referência de um futebol atrativo e competitivo. O treinador que descobriu o ídolo Eusébio rogou uma maldição que persiste até hoje: sem ele, o clube nunca mais estaria no topo do continente.

O plano que Jorge Jesus traçou para os Encarnados permite certa percentagem de otimismo. A vitória contra o Barcelona e os 70 minutos jogando de igual para igual com os poderosos da Baviera são indícios de que o plano está em curso. Porém, como pude constatar em diversas entrevistas com torcedores ao redor do estádio da Luz no dia do jogo, mesmo exercitando a diplomacia —porque quem é esperto não se encrenca com Jesus, logo com ele —, uma opinião uníssona de que ele é "o cara", como entre os torcedores rubro-negros que o veneram, não existe no Benfica. Menos pelas qualidades do treinador já por muitas vezes premiado, mais pelo seu jeito "difícil".

A carreira do sisudo e temido treinador tem duas partes: antes e depois do Flamengo. Em 15 meses no Brasil, ele se exercitou em fazer milagres: vitória em três campeonatos nacionais e em dois internacionais — ganhou a Libertadores e o Campeonato Brasileiro de 2019, a Supercopa do Brasil, a Recopa Sul-Americana e o Campeonato Carioca de 2020.

De volta ao estádio da Luz desde agosto de 2020, Jorge Jesus deu nova roupagem ao clube, a mesma que deu ao Flamengo: a mentalidade de vencedor. Depois da vitória histórica de 3 a 0 contra o Barcelona, após 60 anos e com atuação decisiva do brasileiro Lucas Veríssimo em sua estreia no prestigioso torneio, o benfiquista trilhou novas metas no Olimpo. No Grupo E, com o Dínamo Kiev, Barça e o poderoso e temido Bayern, a equipe de Jesus deveria "galgar voos altos", que acontecem, mas ainda são muito efêmeros para pensar na fase final.

Paixão vermelha

Na viagem de ida para Lisboa, já avistei camisas em vermelho sangue de torcedores do Bayern combinando curtas férias com o exercício de tomar o espaço físico em capitais na Europa. Também isso é sinal de status. Não são torcedores de muitos clubes que podem pegar "férias" no meio da semana, pagar passagem e hospedagem para incentivar seu time na fase de grupos, com muito chão ainda pela frente.

Ao redor do estádio, encontrei torcedores com a convicção absoluta de que o Benfica "é o melhor time do mundo". Diante disso, Jesus terá de provar que não é uma andorinha de verão, terá de oferecer à torcida mais do que um palco em casa, para a catarse que funciona como elixir para quem arde pelo futebol. Num cenário que o plano de Jesus possa não dar certo, ninguém pensa. Por enquanto.