PUBLICIDADE
Topo

Dani Alves diz que postagens não contribuem contra racismo e cobra atitudes

Daniel Alves pede atitudes no lugar de postagens para combater o racismo - Miguel Schincariol/Getty Images
Daniel Alves pede atitudes no lugar de postagens para combater o racismo Imagem: Miguel Schincariol/Getty Images

Do UOL, em Porto Alegre

03/06/2020 15h34

Daniel Alves se manifestou sobre os protestos contra o racismo que tomam o mundo esportivo. O lateral direito do São Paulo, em entrevista à CNN, revelou que já sofreu com a discriminação racial várias vezes e que ficar fazendo publicações na internet não irá ajudar em nada.

"Eu vivi essa situação de perto, mas não quis superdimensionar para não dar importância para o infrator. Quis combater de uma forma mais espontânea. A minha evolução não vai estar posta em xeque com seu mau caráter, seu racismo ou sua forma de entender um outro ser humano. O ódio não pode ser combatido com ódio, tem que ser combatido com amor", disse.

Daniel Alves protagonizou uma cena que marcou no combate ao racismo. Quando bateria um escanteio, em 2014, na partida entre Barcelona e Villarreal, viu uma banana ser arremessada no campo. Sem titubear, o lateral pegou a fruta e comeu.

"Se você colocar o ódio para fora, estará se igualando ao infrator. A gente tem que punir quem comente esses atos, senão a gente vai estar generalizando", opinou.

"Não foi agradável para mim no meu momento, mas eu vivi isso em muitos momentos, em vários lugares, fui tentando ser superior a tudo isso, e criar um vínculo de amor, de perdoar, senão gera confronto, gera guerra, e guerra não leva a nada. É só assim que eu acredito na evolução da humanidade", completou.

Na opinião do atleta de 37 anos, publicações na internet, como as feitas nos últimos dias após a morte de George Floyd nos Estados Unidos, não contribuem de fato para o combate ao racismo.

"Ir na internet e colocar uma pantalha (tela) negra, falar que a vida negra também importa, eu não estou de acordo. Para mim as vidas importam. Seja negra, seja branca, seja lésbica, gay... Para mim, todas as vidas têm o mesmo valor e o mesmo sentido", afirmou.

"O que eu acho é que as pessoas precisam entender que por se manifestarem, elas não vão combater nada. É muito 'pray for' (reze por, em inglês, expressão usada em manifestações) quando acontece alguma coisa, mas as pessoas não fazem nada. A gente tem que ficar sempre com as ações das pessoas, que elas fazem quando ninguém vê, com as lutas que não são tão expostas", explicou.

Dani ainda comentou que no momento em que sofreu com racismo, a comoção popular não teve realmente resultado.

"Quando aconteceu comigo apareceu muita gente colocando foto da banana, e não adianta. Tem que tomar as atitudes pertinentes", falou. "Para mim, a atitude da mulher, da esposa desse infrator, de ter pedido o divórcio é uma grande atitude. Porque senão é fácil você colocar uma postagem e achar que seu trabalho está feito, o trabalho tem que ser com atitudes", finalizou.

Futebol