PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Cruzeiro não paga dívida por Denilson, e valor pelo volante quase triplica

Volante chegou ao Cruzeiro no meio de 2016 e saiu no final daquela temporada - Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro
Volante chegou ao Cruzeiro no meio de 2016 e saiu no final daquela temporada Imagem: Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

12/05/2020 04h00

Antes de deixar o comando do Cruzeiro para o futuro presidente (que só assumirá em junho), o conselho gestor do time mineiro ainda precisa resolver as últimas pendências neste mês de maio, como as dívidas na Fifa que não podem ser mais postergadas. Uma delas é pelo volante Denilson. O clube celeste adquiriu o jogador — que fez apenas cinco jogos — por empréstimo em 2016, mas não pagou ao Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos, os valores da negociação. Quatro anos mais tarde, essa dívida está quase o triplo do montante inicial.

Denilson foi oficializado como jogador do Cruzeiro em 19 de julho de 2016 e sua saída foi anunciada em 21 de novembro daquele mesmo ano. Em um primeiro momento, as conversas com o Al Wahda caminhavam para um empréstimo sem custos e com o clube mineiro pagando metade dos salários. Porém, o acerto firmado entre as partes tirou do Cruzeiro a necessidade de dividir os salários do atleta. Contudo, no final do empréstimo, seria preciso pagar US$ 500 mil. E é essa quantia que nunca foi paga, gerando a cobrança dos árabes na Fifa.

Por duas vezes, uma autorização do departamento de futebol para quitar a dívida chegou a ser feita dentro do Cruzeiro, mas a falta de verba dificultou que o financeiro, comandado por José Ramos à época, quitasse a pendência.

Na época que a Raposa anunciou o jogador, o dólar estava cotado em aproximadamente R$ 3,28. A dívida, então, seria de R$ 1,64 milhão. Como ela não foi paga, os juros acumulados nesses quatro anos aumentaram significativamente os valores. Além disso, a alta do dólar (hoje cotado em R$ 5,74) contribuiu diretamente para esse salto. Hoje, a dívida celeste com o Al Wahda é de pelo menos R$ 4,5 milhões.

Além de encontrar uma solução para pagar a dívida de Denilson, o Cruzeiro tem outras duas dívidas na Fifa para serem quitadas ainda neste mês de maio. A partir do final desta semana, o clube também terá que desembolsar cerca de R$ 5 milhões ao Independiente del Valle pela negociação do zagueiro equatoriano Kunty Caicedo. Por último, outra dívida emergencial da Raposa é com o Zorya, da Ucrânia, pela venda do atacante Willian (R$ 10,5 milhões), que atualmente defende o Palmeiras. Juntas as três dívidas somam mais de R$ 20 milhões.

Cruzeiro