PUBLICIDADE
Topo

Por que Tiago Nunes insiste em reforço para setor eficiente no Corinthians

Samir Carvalho

Do UOL, em São Paulo (SP)

25/01/2020 04h00

O Corinthians já marcou sete gols em três jogos em 2020, média de 2,3 gols por partida. E todos os gols foram feitos pelo quarteto ofensivo do time, que terá o primeiro teste fora de casa amanhã (26), diante do Mirassol, às 19h (de Brasília), pela 2ª rodada do Campeonato Paulista. Apesar da eficiência até o momento, o técnico Tiago Nunes insiste na contratação de um reforço para o ataque no mercado da bola.

Vale ressaltar também que o setor ainda ganhará dois 'reforços caseiros': casos de Pedrinho, que defende a seleção brasileira no Pré-Olímpico, da Colômbia, e Everaldo, em fase final de reequilíbrio físico.

Mesmo assim, Tiago Nunes acredita que precisa de mais um atacante. O primeiro argumento é a longa temporada com muitos jogos. O segundo é de que o Corinthians carece de um atacante agudo, que prioriza o 'um contra um' e jogadas de profundidade.

No início desta temporada, Tiago só conta com Janderson, titular da equipe, e o jovem Madson, recém-promovido do sub-23.

"Pensando na temporada, precisamos. Isso não é uma cobrança pública, quero deixar isso claro, mesmo porque temos isso em consenso internamente. Temos o Everaldo retornando, também quando tiver bem fisicamente vai contribuir, mas temos temporada longa, mas esse tipo de atleta é importante para manter a performance", disse Tiago Nunes.

O Corinthians 'virou o ano' apostando na contratação de Michael, ex-Goiás e que acertou com o Flamengo. O clube paulista ofereceu R$ 22 milhões e mais alguns jogadores por 50% dos direitos econômicos do atleta, mas viu o Goiás negociar a revelação do último Campeonato Brasileiro com os cariocas.

Rony, do Athletico-PR, estava na lista de reforços de Tiago Nunes, mas tanto dirigentes, como o treinador, negam qualquer tipo de conversa pelo atleta. O valor de 12 milhões de euros (R$ 55,3 milhões na cotação atual) após consulta em dezembro assustou o Corinthians, que sequer abriu negociações.

Futebol