Topo

Há vida sem Soteldo? Lembre como o Santos atuava sem ele, há 10 jogos

Soteldo conversa com Jorge Sampaoli durante treino do Santos - Ivan Storti/Santos FC
Soteldo conversa com Jorge Sampaoli durante treino do Santos Imagem: Ivan Storti/Santos FC

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

05/09/2019 04h00

Entre os cinco desfalques que o Santos terá para a partida deste domingo, às 16h, contra o Athletico-PR, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, o mais sentido será o venezuelano Soteldo. Principal destaque do Peixe no primeiro turno da competição, o atacante vem de uma sequência de dez jogos consecutivos como titular e só não iniciou cinco das últimas 24 partidas na temporada.

O retrospecto do Peixe sem o venezuelano não é animador: vitória sobre o Ceará, empates com CSA e Atlético-MG, e derrotas para o mesmo Atlético-MG e diante do Vasco. Três desses jogos ocorrem pela Copa do Brasil, mas teoricamente o Santos conquistou apenas cinco dos 15 pontos possíveis nas partidas, aproveitamento de 33%. Já nos outros 19 jogos em que foi titular, 13 vitórias, dois empates e quatro derrotas: 41 dos 57 pontos e 71% de aproveitamento.

Sem Soteldo, a principal alternativa do Santos era a entrada de Rodrygo. Enquanto o técnico Jorge Sampaoli teve o "Raio" à disposição, foi sempre ele o escolhido para atuar na função do venezuelano. Isso aconteceu nas partidas contra Vasco, CSA e Atlético-MG.

Quando perdeu seu antigo camisa 11, primeiro pela convocação para a seleção sub-23 e depois, de forma definitiva, com a ida dele para o Real Madrid (ESP), Sampaoli chegou a escalar Copete no setor, contra o Ceará, e depois utilizou Marinho, contra o Atlético-MG, partida em que o Peixe foi eliminado da Copa do Brasil.

O duelo contra o Galo é o que mais se aproxima da situação atual do Santos. Naquele dia, o Peixe também não teve Derlis González à disposição, convocado para a seleção do Paraguai, exatamente como ocorrerá neste domingo. Na ocasião, Sánchez atuou pela direita e Marinho no setor esquerdo. Sasha ainda não havia se firmado, e Uribe foi quem iniciou.

Neste momento, Sasha tem uma sequência tão grande quanto a de Soteldo entre os titulares e é praticamente intocável no time. Assim, Sampaoli estuda deslocar o camisa 27 para a ponta e utilizar Uribe como 9, ou manter Sasha centralizado, utilizando Marinho na esquerda - apesar do novo camisa 11 preferir o lado direito - e escalar Sánchez na vaga que vem sendo de Derlis.

Além da volta quase certa de Marinho ao time, o uruguaio também deve ser novamente titular. Se não na direita do ataque, que pode ser ocupada por Marinho ou Sasha, mais recuado como um ala pela direita, já que Pará ainda não convenceu e Ferraz, suspenso, desfalca a equipe.