Topo

Libertadores - 2019


Grêmio e Palmeiras se reencontram 24 anos depois, com Felipão do outro lado

Em 1995, Grêmio de Felipão eliminou o Palmeiras em duelos épicos na Libertadores - Antonio Gaudério/Folha Imagem
Em 1995, Grêmio de Felipão eliminou o Palmeiras em duelos épicos na Libertadores Imagem: Antonio Gaudério/Folha Imagem

Jeremias Wernek e Leandro Miranda

Do UOL, em Porto Alegre e São Paulo

20/08/2019 04h00

Mais de duas décadas depois, Grêmio e Palmeiras voltam a se enfrentar nas quartas de final da Libertadores. Hoje à noite, os dois clubes abrem o confronto da edição 2019 com uma grande diferença: Felipão, artífice de um dos times mais emblemáticos da histórica gremista, em um confronto com ares mitológico no panteão tricolor, agora está do lado alviverde.

Grêmio e Palmeiras jogam às 21h30 (horário de Brasília), em Porto Alegre. O segundo e decisivo jogo será em São Paulo. Mesma ordem das partidas épicas de 1995.

Há 24 anos, o Grêmio venceu o Palmeiras por 5 a 0 no antigo estádio Olímpico. Uma semana depois, no Palestra Itália, o time paulista devolveu a goleada: 5 a 1. A vaga ficou com os gaúchos graças ao gol de Jardel, que abriu o placar em São Paulo. O Verdão era comandado por Carlos Alberto Silva e contava com jogadores como Cafu, Rivaldo e Müller.

A vitória em cima do Palmeiras é citada pelos gremistas como o ápice da campanha do bicampeonato da América. A potência do adversário, mas principalmente os placares, retumbam na memória do torcedor. Depois de avançar naqueles duelos, o Grêmio superou o Emelec, do Equador, na semifinal e o Atlético Nacional, da Colômbia, na final para se sagrar campeão.

"O Palmeiras era uma seleção brasileira, por todos os craques que tinha, então aquele duelo foi decisivo e marcou mesmo. Eu tenho clara a ideia de que era uma final, por serem os dois times mais fortes do campeonato", diz Luiz Carlos Silveira Martins, vice de futebol do Grêmio à época.

"Claro que é difícil ver o Felipe como adversário, do outro lado. Mas eu respeito o profissionalismo dele. Ele é gremista declarado, não esconde. Eu preferia não enfrentar ele, mas sei que ele é profissional", completou o ex-dirigente.

Felipão vive momento turbulento na temporada do Palmeiras - Pedro H. Tesch/AGIF
Felipão vive momento turbulento na temporada do Palmeiras
Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Do lado do Palmeiras, Felipão não esconde o carinho pelo ex-clube, que classificou como um time de "DNA copeiro". O foco, porém, está em reverter a fase alviverde na temporada, que ainda é turbulenta. Há seis jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro, ele viu o time cair da liderança isolada para a terceira colocação. Um momento complicado para encarar uma "pedreira" como o Grêmio na Libertadores, torneio em que o Verdão tem a melhor campanha.

Campeão brasileiro no ano passado, Felipão tem tido seu retrospecto em mata-mata questionado desde o retorno ao Palmeiras. Já foram quatro eliminações em campeonatos desse tipo: uma no Paulista, uma na Libertadores e duas na Copa do Brasil. Em meio a protestos de torcedores, a estratégia do treinador tem sido blindar o elenco cada vez mais e procurar alternativas para fazer o time voltar a vencer.

Uma delas pode ser a escalação de uma dupla de ataque formada por Borja e Luiz Adriano, mudando o esquema 4-2-3-1 que ele sempre utilizou como base no Palmeiras. A presença do colombiano no time titular é a grande dúvida na equipe paulista; caso Felipão decida manter o sistema tradicional, Zé Rafael deve ficar com a vaga. Já do lado tricolor, Renato Gaúcho não faz muito mistério e deve mandar a campo uma equipe sem surpresas.

FICHA TÉCNICA

Grêmio x Palmeiras

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Data: 20 de agosto de 2019 (terça-feira)
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Patricio Loustau (Argentina)
Assistentes: Juan Belatti e Diego Bonfa (Argentina)
VAR: Mauro Vigliano (Argentina)

Grêmio: Paulo Victor; Leonardo, Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Matheus Henrique, Maicon, Alisson, Jean Pyerre e Everton; André. Técnico: Renato Gaúcho

Palmeiras: Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique, Gustavo Scarpa, Dudu e Zé Rafael (Borja); Luiz Adriano. Técnico: Luiz Felipe Scolari