Topo

Ceni mostra estrela nos dois gols e sai ovacionado na estreia pelo Cruzeiro

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

18/08/2019 17h59

Rogério Ceni estreou com o pé direito no Cruzeiro. Na vitória por 2 a 0 sobre o Santos, hoje, no Mineirão, o treinador surpreendeu em vários momentos e literalmente suou a camisa para ver sua equipe jogar bem e com mais confiança para levar os três pontos. Bastante participativo, terminou o jogo ovacionado pelo torcedor da Raposa.

A primeira novidade no Cruzeiro de Ceni veio dos vestiários. O treinador deixou Robinho e Ariel Cabral na reserva e entrou com o lateral Dodô improvisado como volante. A expulsão de Gustavo Henrique aos cinco minutos ajudou, mas a equipe já mostrava mais apetite pelo jogo desde o início. Assim que o Santos ficou com um a menos, Rogério conversou com Fred e mandou o atacante aquecer ainda aos 20 minutos do primeiro tempo. Quatro minutos mais tarde, sacou Egídio e colocou o centroavante em campo, deixando o time com apenas Henrique de volante.

Bastante ativo na beira do gramado, Ceni não parou um segundo para sentar ou deixar de falar com seus jogadores. Ainda no início do jogo, discutiu com Fábio por alguns segundos sobre o posicionamento do goleiro, que acatou a orientação do técnico e se adiantou até fora da grande área. A postura adotada valeu para o time todo, que adiantou suas linhas, marcou a saída de bola adversária e se impôs. Com muita intensidade, o Cruzeiro ficou mais com a bola e amadureceu seu gol até balançar as redes com Fred, que deu fim a jejum de 16 jogos.

O segundo gol do Cruzeiro também teve a estrela de Ceni. Por causa de um desgaste muscular, Léo ficou de fora do jogo. e o treinador escalou Fabrício Bruno ao lado de Dedé. O defensor de 23 anos não se intimidou e fez o que o comandante exigiu nos poucos treinamentos que deu: quebrou as linhas do Santos e deu um ótimo passe para Pedro Rocha. Na sequência da jogada, Fred escorou para Thiago Neves marcar.

Outra diferença em relação ao time de Mano Menezes foi a intensidade adotada pelos jogadores, mesmo quando o time estava em vantagem. Isso ficou claro após o segundo gol da equipe, marcado por Thiago Neves. Embora tenha perdido um pouco do gás na etapa final, o Cruzeiro não tirou o pé e criou muito mais que em jogos anteriores, terminando o jogo com 21 finalizações.