Topo

Dani Alves: "O São Paulo não está contratando um jogador, mas um torcedor"

Arthur Sandes e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

06/08/2019 20h33

"O São Paulo não está contratando um jogador, mas um torcedor", disse Daniel Alves em sua apresentação como reforço tricolor. O lateral chegou chegando e atraiu uma multidão de torcedores para o Morumbi na noite de hoje. Na primeira entrevista, no Salão Nobre do estádio, ele explicou sua escolha pelo clube e evitou assumir função de "salvador da pátria".

"É muito prazeroso viver esse dia. Sonhei com esse momento, e chegou. Vou tentar retribuir da melhor maneira; não só futebolística, mas também como pessoa, como torcedor. Essa diretoria não vai se arrepender de bater na minha porta e de confiar em mim. Sei que alguns podem não entender, havia muitas possibilidades. Mas hoje estou realizando um sonho, é um momento único para mim", discursou Daniel Alves na primeira vez em que teve a palavra na apresentação.

Nelson ALMEIDA / AFP
Imagem: Nelson ALMEIDA / AFP

O evento começou com Leco e Raí tomando a palavra, então Dani Alves discursou, tirou fotos ao lado de dirigentes e aí começou a responder às perguntas. Evitou colocar o São Paulo como candidato a títulos imediatamente, mas exaltou o projeto que lhe foi apresentado e revelou ter escolhido o Tricolor em decisão estritamente pessoal.

"Não conversei com Tite, esposa, amigos ou ninguém sobre a minha decisão porque não queria nenhuma intervenção da parte deles. Deixei que o meu coração tomasse a decisão por mim", afirmou o lateral, que disse retornar ao Brasil "para dar resultado" ao São Paulo. "Nem quero que pensem que vim finalizar a carreira; tenho muitos objetivos pela frente ainda."

Pilar da seleção brasileira, Dani Alves chega ao São Paulo com o prestígio de uma das maiores (senão a maior) contratação da história do clube. Na rotina com os companheiros, porém, não quer ser herói de ninguém. "Vou tentar ajudar os jovens, mas venho com a mesma cabeça deles, o mesmo objetivo. Tanto que não quis pegar o número de ninguém, por isso escolhi [a camisa 10] do Raí. Não sou mais importante do que ninguém. Não sou melhor do que meus companheiros; quero ser tratado da mesma forma", disse.

A expectativa em torno de Daniel Alves é tamanha que a titularidade é praticamente garantida, seja qual for a posição. A tática, aliás, não tira o sono do reforço. "Minha única ideia é ajudar. Domino todas as posições, sou um jogador disciplinado taticamente. Não é uma preocupação onde vou jogar; só quero contribuir para o São Paulo aspirar coisas importantes", discursa.

Aos 36 anos, Dani Alves chega ao São Paulo como o capitão da seleção brasileira, o melhor jogador da última Copa América e o maior vencedor de troféus da história do futebol (40 títulos). Ele assinou seu contrato minutos antes da coletiva, firmando vínculo até dezembro de 2022.

Amanda Perobelli/Reuters
Imagem: Amanda Perobelli/Reuters

Confira outras respostas de Dani Alves:

Torcedor em campo

Queria pedir desculpas pelos erros. Por mais que eu tenha vivido grandes momentos na vida, hoje é difícil. Queria agradecer ao Lugano, chato que ajudou para eu estar aqui. Estou realizando um sonho de criança. Hoje eles não estão contratando jogador, mas um torcedor do São Paulo. Alguém que se emocionou pelo Raí e por tantos outros nomes como Muller, Cafu, Kaká, Luís Fabiano. É muito prazeroso viver esse dia. Sonhei com este momento, que chegou. Espero retribuir ao São Paulo. Vou tentar retribuir da melhor maneira; não só futebolística, mas também como pessoa, como torcedor. Esta diretoria não vai se arrepender de bater na minha porta. Sei que podem não entender, eu tinha muitas possibilidades, mas hoje estou realizando um sonho.

Clube em construção

O São Paulo está em construção, está caminhando para respeitar toda a sua história. Estou vindo com este intuito, de corresponder com a minha experiência, para que [o clube] não passe tanto tempo sem aspirar títulos. Por isso aceitei este desafio, para ficar perto das pessoas, para ir a um clube que precisa de troféus; não pode ficar tanto tempo sem títulos.

Conversas até a contratação

A primeira coisa que solicitei ao São Paulo é que eu preciso de solidez, projeto e estabilidade esportivamente falando, porque tenho outros objetivos. Preciso construir essa história. Sei das dificuldades que vou enfrentar, mas os sonhos que tenho são superiores a qualquer dificuldade. Tenho o desafio de disputar a Copa de 2022, e isso passa por estar em um clube que acredita na minha história e que possa me proporcionar isso. Acredito que isso foi o ponto primordial.

Estreia contra o Santos?

Eu estava enchendo o saco do Lugano e do Raí porque queria sentir esse jogo. Pedi alguns minutos, vamos ver se é possível; vamos falar com as pessoas responsáveis. É melhor agora do que na próxima semana. Venho aqui para ajudar, para somar, para que as coisas sejam um pouco melhor.

São Paulo