Topo

Vasco aumentou salário de Bruno Silva em 435% e o tornou "descartável"

Bruno Silva renovou 2 vezes, teve aumento de 435% e depois acionou Vasco após se tornar "descartável" - Thiago Ribeiro/AGIF
Bruno Silva renovou 2 vezes, teve aumento de 435% e depois acionou Vasco após se tornar "descartável" Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

13/06/2019 13h32

O litígio de Bruno Silva com o Vasco possui capítulos para lá de confusos. Além de rescindir via Justiça por conta de atrasos salariais e denunciar, em sua ação trabalhista, uma espécie de coação do gerente de futebol para que aceitasse um empréstimo, o volante, neste período de um ano, ainda teve duas renovações de contrato e ganhou um aumento salarial de 435%, tornando-se, curiosamente, "descartável" logo após a segunda extensão do vínculo.

No documento que ingressou na 1ª Região do Tribunal Regional do Trabalho, consta que Bruno Silva foi contratado pelo Vasco em 12 de março de 2018 com um salário de R$ 14 mil (R$ 7 mil de CLT e R$ 7 mil de imagem) e um vínculo até 31 de dezembro de 2018.

No dia 1 de janeiro de 2019, o clube renovou o contrato do atleta até 25 de abril de 2019 dando um aumento para R$ 42 mil (R$ 25 mil de CLT e R$ 17 mil de imagem).

Ao fim deste contrato, consta na ação trabalhista de Bruno Silva que houve uma nova renovação, desta vez até 31 de dezembro de 2019, com um novo aumento salarial, para R$ 75 mil (R$ 45 mil de CLT e R$ 30 mil de imagem).

Ou seja, no período de um ano o salário do jogador teve um salto de exatos 435,71%.

Bruno Silva só atuou 1 vez depois da 2ª renovação

O curioso é que Bruno Silva atuou somente uma vez depois da segunda renovação antes de se desligar do Vasco. Foi no dia 12 de maio, na derrota para o Santos por 3 a 0 no Campeonato Brasileiro, quando falhou em um dos gols numa trapalhada junto com o goleiro Sidão.

O contrato anterior havia encerrado em 25 de abril. Sua extensão até o fim da temporada e com vencimentos de R$ 75 mil foi proposta 12 dias antes pelo ex-diretor-executivo de futebol, Alexandre Faria, através de mensagem de Whatsapp para o empresário do atleta, conforme consta anexado na ação trabalhista em sua página 86. No print, ainda se prevê um aumento de R$ 10 mil a cada sete jogos disputado como titular.

Depois do jogo contra o Santos, porém, Bruno Silva não foi mais utilizado e, segundo sua denúncia, passou a ser forçado a aceitar um empréstimo.

Volante teve grave lesão no pé durante 1ª renovação

Em setembro do ano passado, Bruno Silva sofreu uma lesão no pé esquerdo parecida com a que Neymar teve. Seu retorno aos gramados aconteceu somente em março de 2019, mas antes, em janeiro, ele fez sua primeira renovação de contrato, até 25 de abril, quando ainda se recuperava.

No total, disputou 15 partidas em 2018, quando recebia R$ 14 mil. E apenas sete em 2019, quando chegou a ganhar R$ 75 mil.

Bruno Silva rescindiu com o Vasco alegando três meses de salários atrasados além de, pelo menos, sete meses sem recolhimento de FGTS.