PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Najila chega a delegacia em SP para prestar depoimento contra Neymar

Felipe Pereira e Luiza Oliveira

Do UOL, em São Paulo

07/06/2019 11h54

A modelo Najila Trindade, mulher que acusa Neymar de estupro, chegou à 6ª Delegacia de Defesa da Mulher para prestar depoimento às 11h53, mais de 50 minutos após a previsão. Além dela, uma mulher chamada Rosângela, que trabalha cuidando do filho da suposta vítima, será ouvida pela Polícia Civil.

Najila entrou na delegacia com o rosto encoberto. Rosângela também estava no carro policial que fez o transporte. Dois policiais acompanhavam as mulheres no banco da frente da viatura. Um deles conduzia o veículo.

As duas chegaram juntas, foram cercadas por jornalistas, mas entraram na delegacia sem dar declarações. Depois que os depoimentos acabarem, o advogado da modelo, Danilo Garcia de Andrade, concederá entrevista coletiva. Ele não confirmou se Najila falará com a imprensa. Afirmou que isto será decisão da cliente.

Apesar do esquema montado pela Polícia Civil, que incluiu policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE) munidos de escudo, houve muita confusão. Fotógrafos, cinegrafistas e repórteres de TV forçaram passagem junto ao carro da delegacia que trouxe Najila para prestar depoimento. Dois helicópteros de emissoras sobrevoavam o local.

O tumulto foi tanto que o advogado dela, que estava no outro lado do carro e precisou contornar o veículo, foi prensado por cinegrafistas. Ele só conseguiu entrar na delegacia depois que um investigador segurou em sua mão e puxou entre o emaranhando de câmeras e empurrões.

Um assistente ficou para trás, e Garcia de Andrade precisou gritar para darem passagem. Terminado o tumulto, um integrante do GOE falou para o colega que na saída será pior.

A Polícia Civil intimou a modelo a prestar depoimento quatro vezes e até a possibilidade de condução coercitiva foi ventilada. O depoimento de Najila atrai grande atenção e dezenas de jornalistas e curiosos estão nas imediações da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher.

Os investigadores desejam que Najila explique com mais detalhes o que ocorreu no quarto do Hotel Sofitel de Paris em 15 de maio, data que ela alega ter sido estuprada. Também há expectativa que a modelo entregue conversas por WhatsApp, fotos e o restante do vídeo que gravou. Existe um trecho de 66 segundos que já foi divulgado pela imprensa e circula em grupos de WhatsApp.

Najila afirmou a seu advogado que a gravação teria um total de sete minutos. Garcia de Andrade afirmou que as imagens são peça fundamental na tese que vai expor para fundamentar a acusação de estupro. Ele declarou que o vídeo está guardado em lugar seguro.

Siga o UOL Esporte no

Futebol