Topo

Esporte


Tottenham perde, mas elimina City e será adversário do Ajax na semi

REUTERS/Phil Noble
Imagem: REUTERS/Phil Noble

Do UOL, em São Paulo

17/04/2019 17h56

O futebol inglês parou a Europa com um grande jogo hoje (17), e o Tottenham parou o Manchester City no Etihad Stadium. Os Spurs perderam por 4 a 3, mas, como venceram por 1 a 0 na ida, os três gols fora de casa deram a eles a vaga na semifinal da Liga dos Campeões. O adversário será o Ajax, que bateu a Juventus ontem e se classificou.

Sterling ainda teve um gol anulado pelo VAR nos acréscimos do segundo tempo. Se este tento tivesse sido validado, o Tottenham teria caído.

A reação do perfil oficial do City no Twitter ilustra bem o sentimento da torcida com esta "quase classificação".

A eliminação significa que Guardiola segue sem avançar para a semifinal desde 2015/2016, quando seu Bayern de Munique se agarrou à vitória sobre o Benfica no primeiro jogo, segurou o empate no duelo de volta e fez 3 a 2 no placar agregado. O técnico não conquista a Liga dos Campeões desde a temporada 2010/2011, na qual ergueu a taça com o Barcelona.

Em partida realizada no mesmo horário hoje, o Liverpool goleou o Porto por 4 a 1 e avançou para a semi. O rival do clube inglês será o Barcelona.

Quem foi bem: Son

Ben STANSALL / AFP
Imagem: Ben STANSALL / AFP

Ele fez a torcida do Tottenham transformar Harry Kane em Harry "Quem". A lesão do centroavante assustou os Spurs, mas Son cumpriu sua missão no ataque e marcou dois; houve gol de oportunismo, e golaço de quem sabe o que está fazendo. Os colegas de time levaram sustos e quase entregaram a vaga ao City, mas os gols do sul-coreano foram a base da classificação.

Afinal, também foi ele que garantiu a vitória por 1 a 0 na ida.

Quem foi mal: Laporte

Andrew Yates/Reuters
Imagem: Andrew Yates/Reuters

Um desempenho ruim em um confronto como este pode custar caro. Inseguro, o zagueiro francês falhou em um dos gols de Son, cometeu erros infantis e atrapalhou sua equipe, que foi bastante eficiente no ataque. O mesmo não pode ser dito sobre a defesa.

Também era Laporte o responsável por marcar Llorente no lance do terceiro gol do Tottenham, que teve suposto toque de mão do jogador espanhol - a equipe de arbitragem de vídeo entendeu que ele não se beneficiou com o movimento e validou o gol.

De Bruyne liga os pontos e Sterling brilha, mas City cai

Andrew Yates/Reuters
Imagem: Andrew Yates/Reuters

Sterling marcou duas vezes: primeiro com um bonito chute, e depois ao aproveitar cruzamento rasteiro. Igualmente objetivo, Aguero fez o quarto gol do City. O que estas três jogadas tiveram em comum? Assistências de Kevin De Bruyne, que comandou a maioria das tentativas do time em casa.

O problema é que o belga não foi um garçom tão decisivo no duelo de ida, em Londres, e a derrota no primeiro jogo puniu o City com a eliminação.

Um começo histórico

Andrew Yates/Reuters
Imagem: Andrew Yates/Reuters

Manchester City e Tottenham precisaram de 21 minutos para entrar para a história. Este jogo quebrou o recorde de cinco gols mais rápidos na Liga dos Campeões em todos os tempos. Anteriormente, a marca pertencia ao jogo Borussia Dortmund 8 x 4 Légia Varsóvia, que, em novembro de 2016, teve seus cinco primeiros gols feitos em 24 minutos.

Pontaria excelente. Defesas, nem tanto

Anthony Devlin / AFP
Imagem: Anthony Devlin / AFP

O Etihad Stadium assistiu a um início de partida com pontaria impecável. Nos primeiros 21 minutos, as duas equipes finalizaram cinco vezes na direção do gol adversário e marcaram nas cinco oportunidades. O aproveitamento ofensivo neste início foi perfeito, mas as atuações defensivas deixaram a desejar.

No primeiro gol do Tottenham, Son aproveitou falha de Laporte e colocou a bola sob a perna do brasileiro Ederson, que saltou mal e poderia ter feito a defesa. Posteriormente, aos 11, o City recuperou a vantagem no placar com finalização de Bernardo Silva. A bola desviou em Danny Rose e iludiu Lloris, que se precipitou.

Guardiola desafiou e saiu frustrado

Phil Noble/Reuters
Imagem: Phil Noble/Reuters

Na véspera da partida, o técnico espanhol apresentou um desafio à torcida do Manchester City. Ao dizer que queria ver "o quanto os fãs queriam chegar à semifinal", Guardiola jogou a isca para que o público criasse uma atmosfera diferente no Etihad Stadium.

Ele não foi decepcionado neste sentido: os torcedores da casa cantaram em apoio ao City e vaiaram a posse de bola do Tottenham. Mas os jogadores dos Spurs não pareceram intimidados com o que ouviram, e fizeram o que precisavam fazer.

A pressa é amiga da perfeição?

Paul Childs/Reuters
Imagem: Paul Childs/Reuters

O árbitro turco deu três minutos de acréscimo no primeiro tempo, mas o relógio ainda não havia chegado aos 48 quando Pochettino foi visto correndo até a escada que dá acesso aos vestiários. O argentino parou e ficou olhando para o juiz, esperando pelo apito e visivelmente apressado.

Do outro lado, Guardiola fez a mesma coisa. Considerando que o jogo os surpreendeu com cinco gols em 21 minutos, os dois treinadores não queriam perder tempo. Eles interpretaram que seria importante desenhar um esquema rapidamente no vestiário.

FICHA TÉCNICA
MANCHESTER CITY 4 X 3 TOTTENHAM

Data e hora: 17 de abril de 2019, às 16 horas (de Brasília)
Local: Etihad Stadium, em Manchester (Inglaterra)
Árbitro: Cuneyt Cakir (Turquia)
Auxiliares: Bahattin Duran e Tarik Ongun (ambos da Turquia)
Cartões amarelos: Sissoko, Son, Rose, Wanyama (Tottenham)
Gols: Sterling, aos 4 e aos 21, Bernardo Silva, aos 11 do primeiro tempo, e Aguero, aos 13 do segundo tempo (Manchester City); Son, aos 7 e aos 10 do primeiro tempo, e Llorente, aos 28 do segundo (Tottenham)

MANCHESTER CITY: Ederson; Walker, Kompany, Laporte e Mendy (Sané); De Bruyne, Gundogan e David Silva (Fernandinho); Sterling, Aguero e Bernardo Silva
Técnico: Pep Guardiola

TOTTENHAM: Lloris; Trippier, Alderweireld, Vertonghen e Rose (Sanchez); Sissoko (Llorente), Wanyama, Dele Alli, Eriksen e Lucas Moura (Davies); Son
Técnico: Mauricio Pochettino

Mais Esporte