PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Leandro Donizete se ressente da má fama ganha no Santos: "saí como bandido"

Pedro Vale/AGIF
Imagem: Pedro Vale/AGIF

Alexandre Praetzel

Colaboração para o UOL

25/09/2018 04h00

O América-MG faz boa campanha na Série A do Brasileiro, dentro da sua realidade. Com 31 pontos em 26 jogos, o clube mineiro precisa de mais 14 pontos em 36, para garantir sua permanência na primeira divisão. Um dos jogadores que contribui para essa campanha é Leandro Donizete. O volante é titular do time de Adilson Batista, aos 36 anos. Emprestado pelo Santos e com mais um ano de contrato com o time alvinegro, Leandro Donizete não escondeu uma certa mágoa com o tratamento que recebeu, na Vila Belmiro. 

Para o jogador, não lhe deram tantas oportunidades mesmo em momentos em que estava bem fisicamente e tecnicamente. O volante acredita que ganhou antipatia dos torcedores pelo fato de ter o mesmo empresário de Dorival Junior, treinador que estava no clube na época de sua contratação. Ele crê que as notícias que davam conta de que foi para o clube contra sua vontade e que ganhava um salário muito alto também o prejudicaram. "Acharam que eu fui lá forçado, salário altíssimo que foi uma mentira. Fiquei chateado para caramba porque meteram o pau em mim. Falaram muita coisa errada. Parecia um bandido, saí daqui como um bandido, né?".

Acompanhe abaixo a entrevista do UOL Esporte com o volante:

Pelo rendimento que vem apresentando, o América-MG permanece na Série A?
Pelo que está fazendo, pelo que mostrou contra o São Paulo, sim. Esse é nosso intuito. Lógico que tem muitos jogos ainda, mas estamos numa posição boa. Está tudo embolado, também, na frente e atrás. A gente está feliz com o que a gente está fazendo e agora é buscar dentro de casa. Temos um jogo difícil contra o Corinthians e buscar essa pontuação de 43, 44 pontos, para a gente sair dessa zona desconfortável e manter o América na Série A. 

É muito diferente trabalhar num time que não tem tanta repercussão e torcida?
É diferente, porque você sempre vai num estádio lotado, ver a torcida apoiar. O América não tem esse costume. Tem torcedores, mas não vão muito ao campo. Tem que se adaptar, né. Tem dias que a gente joga com o campo fechado, porque não pode ter nenhuma das torcidas. É horrível, né. Mas a gente já se acostumou, se estiver cheio ou não, a gente tem que fazer o nosso melhor. Estou feliz no América. Uma estrutura bacana, com pessoas que trabalham sério, salários em dia. Merece ficar na primeira divisão. 

O Adílson reclamou da qualidade do futebol brasileiro. Para você, está fraco?
Hoje está mais físico, né. Mas há jogadores de qualidade, sim. Muitos. Lógico que hoje está mais estudado, tem a marcação. Então, você acaba neutralizando as jogadas dos adversários. Parece que não tem mais jogador de qualidade, mas ainda tem. Qualidade que manda em tudo. A gente desarma ali, mas se não houver qualidade, não terá o gol, uma jogada bonita. 

O Santos não foi legal contigo?
Ah, cara. Assim, não tive sequência, né. Acho que joguei dois jogos, com meio tempo só. Aí, o jogador que está acostumado a 40, 50 jogos, se jogar só isso, fica difícil. Várias vezes, era minha chance de jogar, mas não me colocavam. Lógico, eram opções deles. Sei que eles gostam da molecada também. A molecada tem muita qualidade, mas ficou aquele gostinho, né. Poderia ter ajudado mais. Mas o América abriu as portas para mim. Estou mostrando que tenho qualidade. Mostrei no Galo, Coritiba, onde eu passei e, se Deus quiser, vou ser feliz ainda.

O fato de você ter sido indicado pelo Dorival Jr. te atrapalhou quando ele saiu?
Rapaz, falaram muita coisa errada, né? O fato de o meu empresário ser cunhado dele...não tem nada a ver. Trabalhei super bem no Coritiba com ele, quando ele me levou e eu estava num momento muito bom no Galo, não queria sair de lá. O Santos fez uma proposta, até o presidente veio em mim. O Dorival só deu ok. Isso acho que prejudicou também. Levaram muito para o coração. Acharam que eu fui lá forçado, salário altíssimo que foi uma mentira. Fiquei chateado para caramba porque meteram o pau em mim. Falaram muita coisa errada. Parecia um bandido, saí daqui como um bandido, né. Mas, o América abriu as portas para mim e estou dando a volta por cima.

Você tem contrato em vigor com o Santos?
Sim, mais um ano de contrato, mas é difícil ficar. Vou fazer o meu papel bem feito no América e, quem sabe, buscar outros ares numa equipe maior, no ano que vem. 

Futebol