PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Gols somem com Felipão, mas Bruno Henrique segue peça-chave no Palmeiras

Bruno Henrique comemora gol contra o Paraná em julho; desde então, não marcou mais - Ale Cabral/AGIF
Bruno Henrique comemora gol contra o Paraná em julho; desde então, não marcou mais Imagem: Ale Cabral/AGIF

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

19/09/2018 04h00

Bruno Henrique é o terceiro principal artilheiro do Palmeiras na temporada, com nove gols, empatado com Dudu e atrás apenas de Willian e Borja. O detalhe é que todas essas bolas na rede aconteceram antes da chegada de Luiz Felipe Scolari. A mudança no estilo de jogo com o novo treinador restringiu um pouco as subidas ao ataque, mas o volante continua contribuindo de outras formas e segue uma peça-chave da equipe para a sequência de temporada.

A última vez em que Bruno Henrique balançou a rede foi em 29 de julho, quando ele marcou duas vezes na vitória por 3 a 0 sobre o Paraná. Aquele jogo, no qual o Palmeiras foi comandado pelo interino Wesley Carvalho, foi o último antes da comissão técnica de Felipão assumir. Na partida seguinte, com o auxiliar Paulo Turra dirigindo a equipe, o jogador até teve chance de marcar contra o Bahia, pela Copa do Brasil, mas desperdiçou uma cobrança de pênalti.

À medida que o estilo de jogo de Felipão foi se consolidando no alviverde, Bruno Henrique passou a chegar com menos frequência à área adversária. Uma das primeiras preocupações de Scolari foi reforçar o sistema defensivo palmeirense, que vinha sofrendo muitas críticas por não conseguir segurar vantagens sob o comando de Roger Machado. Sendo assim, os dois volantes passaram a atuar mais fixos à frente da zaga, além de outras medidas como evitar que os dois laterais subissem ao mesmo tempo e fazer uma saída de bola mais direta, com bolas longas para o ataque, para não perder a posse em zonas perigosas.

Os gols de Bruno Henrique, que chegaram a colocá-lo no radar do técnico Tite na seleção brasileira, sumiram, mas a importância dele continuou a mesma. Capitão do Palmeiras, o volante é um dos jogadores mais regulares do elenco e mantém o status de titular absoluto. Além da força defensiva, a capacidade de organização no meio-campo também é importante para o estilo de Felipão, já que muitas vezes ele encontra os atacantes com lançamentos precisos.

Curiosamente, Bruno Henrique começou o ano em baixa com a torcida e não era nem cogitado para ser titular. A surpreendente entrada do jogador no time aconteceu em um jogo da Libertadores contra o Junior Barranquilla, em março, e o então treinador Roger deu uma justificativa defensiva para colocá-lo no lugar de Tchê Tchê: citou o porte físico mais avantajado de Bruno, que daria ao time mais equilíbrio e capacidade de desarme. Já naquela partida, porém, ele mostrou a vocação ofensiva ao fazer dois gols. Desde então, não perdeu mais a vaga.

Os gols que Bruno Henrique deixou de marcar, aliás, não têm feito falta para o Palmeiras. O time embalou no Brasileiro com Felipão e está vivo na briga pela Copa do Brasil e pela Libertadores, impulsionado principalmente pelos gols dos centroavantes: Deyverson fez quatro e Borja anotou três desde a chegada do treinador. Um reencontro com as redes certamente seria comemorado pelo jogador, mas independentemente disso ele é nome certo para iniciar o jogo contra o Colo-Colo nesta quinta-feira (20), pelo jogo de ida das quartas de final da Libertadores, em Santiago.

Futebol