PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Pacotão no PSG, reforço galático... O que agitará o próximo mercado europeu

Claude Paris/AP
Imagem: Claude Paris/AP

Do UOL, em São Paulo

27/04/2018 04h00

Com a maioria dos campeonatos nacionais já definidos e muitos times em ritmo de férias, o final de temporada na Europa aos poucos começa a indicar os assuntos que vão dominar o futebol do continente nos próximos meses. Manchester City, PSG e Barcelona estão entre os clubes mais interessados com o futuro e, mesmo aqueles ainda com título importante em disputa, como o Real, também já estão de olho no planejamento.

Obviamente, as maiores atenções serão nas movimentações do mercado, mas com uma particularidade: alguns clubes ainda não definiram seus técnicos para a próxima temporada. De qualquer forma, depois de transações recordes com Neymar e Philippe Coutinho na última janela de transferências, não há como fugir da expectativa por outros grandes negócios a partir do dia 1º de julho, quando as grandes ligas oficialmente abrem o período de transações. O fechamento ocorre ao final de agosto.

Veja abaixo o que esperar da preparação dos clubes europeus para a próxima temporada:

Real terá grande reforço?

Lewandowski  - AFP PHOTO / Christof STACHE - AFP PHOTO / Christof STACHE
Lewandowski é cotado para reforço do Real Madrid
Imagem: AFP PHOTO / Christof STACHE
O arranque na reta final da Liga dos Campeões abafou, mas não escondeu uma temporada irregular do Real Madrid que levantou duas principais questões: Zinedine Zidane continuará no cargo na próxima temporada? Depois da timidez nas últimas janelas de transferência, o Real voltará a investir pesado no mercado como antigamente? Pelo menos a segunda reposta parece ser afirmativa.

A possibilidade de conquistar o terceiro título da Liga dos Campeões consecutivo deu novo ânimo a Zidane, que já deu indicações de que pode encarar mais uma temporada no banco merengue. Independente de quem será o treinador, uma reformulação deve atingir em cheio o Real nos próximos meses e é esperada a chegada de pelo menos um nome de grande peso.

Até o momento, o atacante Robert Lewandowski surge como favorito para desembarcar em Madri como substituto de um Benzema desgastado que deve deixar o clube. Gareth Bale, em mais uma temporada irregular, é outro que pode ser vendido, o que abriria espaço para mais reforços. Uma possível investida em Neymar ainda é tratada apenas no campo das especulações, sendo que a prioridade do clube será a renovação de Cristiano Ronaldo. Um goleiro para concorrer com Navas também é esperado, com o brasileiro Alison liderando a preferência do clube de acordo com a imprensa local.

Como será o novo PSG?

Se dentro da França o PSG continua absoluto, em âmbito europeu a eliminação nas oitavas da Liga dos Campeões significou um grande balde de água fria em um clube que apostou alto na contratação de Neymar. Não à toa, uma grande reformulação atingirá o clube para a próxima temporada, começando pela saída do técnico Unai Emery. Thomas Tuchel, ex-Borussia Dortmund, surge como favorito para liderar a próxima etapa do projeto. 

No mercado, depois de altos investimentos em Neymar e Mbappé, a tendência é pela busca de bons complementos para seus astros. A princípio, o clube trata as chegadas de um camisa 9 móvel e de um goleiro como prioridades, com Lewandowski e Alison entre os jogadores já citados como opção. O jornal “Le Parisien”, por sua vez, informou que o futuro treinador já indicou quatro nomes para o PSG o zagueiro Ömer Tropak e o volante Julian Weigl, do Borussia Dortmund, o meia Max Meyer (Schalke 04) e Philipp Max (Augsburg). O brasileiro Fabinho também é analisado como opção para o meio-campo.

No sentido contrário, a reformulação deve atingir jogadores já estabelecidos no clube há anos. O atacante Cavani e o meio-campista Thiago Motta são os favoritos a liderar a “barca” que ainda pode ter outros nomes.

Como será o Barça sem Iniesta?

Iniesta deve deixar o Barça na próxima temporada - REUTERS - REUTERS
Iniesta deve deixar o Barça na próxima temporada
Imagem: REUTERS

A saída de Iniesta, anunciada nesta sexta-feira, deixará ao Barcelona uma situação inédita nos últimos 13 anos: como é jogar sem o regente do meio-campo. Philippe Coutinho já foi contratado em janeiro pensando nesta substituição, embora tenha característica distinta. De qualquer forma, existe a expectativa de como o Barcelona atuará sem um jogador que ao lado de Lionel Messi e Xavi ditou o ritmo de um time histórico.

No mercado, o Barcelona não deve tirar o pé do acelerador e planeja a contratação de um atacante, com Antoine Griezmann como favorito absoluto para a vaga. Outras contratações devem ser pontuais e existe uma preocupação extra na zaga, com uma renovação em andamento complicada com Umtiti. A eliminação para a Roma da Liga dos Campeões colocou pressão em cima do elenco para a próxima temporada, embora o time tenha conquistado a Copa do Rei e esteja muito próximo do Campeonato Espanhol.

Futuro de Wenger e danças das cadeiras dos técnicos

A temporada europeia de 2017/2018 terá início com uma cena para lá de incomum no banco de reservas do Arsenal. Afinal, não estará sentado nele Arsene Wenger, técnico que deixou o clube após 22 anos. O treinador já avisou que gostaria de trabalhar na próxima temporada, mas até o momento nenhum clube manifestou interesse concreto. No Arsenal, os candidatos para o cargo são variados, com Patrick Vieira, ex-jogador do clube que hoje treina o Los Angeles Galaxy, como um dos mais cotados.

Entre os outros gigantes, o Bayern de Munique já definiu Niko Kovac, que estava no Eintracht Frankfurt, como substituto de Jupp Heynckes. No PSG, Thomas Tuchel é o favorito para substituir Unai Emery, que ainda não sabe onde vai trabalhar na próxima temporada. Depois de meses colocando em dúvida sua permanência, Zinedine Zidane indicou que deve ficar, embora uma definição só será feita após a Liga dos Campeões.

Na Inglaterra, além do Arsenal, o Chelsea é o único dos grandes times com possibilidade de mudança no banco de reservas, com o ex-Barcelona como mais cotado em caso de saída de Antonio Conte. José Mourinho (Manchester United), Pep Guardiola (Manchester City), Jurgen Klopp (Liverpool) e Mauricio Pochettino (Tottenham), se nada de anormal ocorrer, irão para mais um ano no banco de reservas de seus respectivos clubes.

Medo de novo pacotão do City

Guardiola - Darren Staples/Reuters - Darren Staples/Reuters
Guardiola mais uma vez deve buscar reforços para o City no mercado
Imagem: Darren Staples/Reuters
Clube que temporada após temporada tem se mostrado ativo no mercado, o Manchester City mais uma vez buscará nomes para reforçar o time que reinou soberano no Campeonato Inglês, mas que naufragou novamente na Liga dos Campeões. Foram 300 milhões de euros gastos para esta temporada e até o técnico rival José Mourinho já demonstrou preocupação. “Se isso ocorrer, será difícil”, disse o técnico do Manchester United.

De acordo com o jornal “Daily Mail”, desta vez será disponibilizado o valor de 200 milhões de libras para Pep Guardiola satisfazer suas necessidades em relação ao time. Entre os diversos nomes já especulados, chamam a atenção os dos brasileiros Fred (ex-Internacional, atualmente no Shakhtar Donetsk) e Jorginho (atleta do Napoli que defende a seleção italiana). Thiago Alcântara também já teve seu nome citado.

Alguém tentará uma loucura por Salah?

Até o momento, foram 43 gols marcados na temporada, com boa possibilidade de liderar o Liverpool até a final da Liga dos Campeões. Com futebol de melhor do mundo, o egípcio Mohamed Salah conseguiu ir de uma aposta pela qual o time inglês pagou 34 milhões de libras para um jogador colocado por alguns já no patamar de Neymar. A dúvida que fica é se algum clube tentará fazer uma loucura para tirá-lo do Liverpool.

As últimas duas janelas de transferências mostraram que o time inglês faz jogo duro no mercado e, sem um valor de multa rescisória estipulado, já avisou que não há proposta que o faça vender Salah. Mas em um mercado hiperinflacionado que bateu recordes de transferências, não é difícil imaginar que algum clube vá além dos 222 milhões de euros pagos pelo PSG por Neymar para tentar ter o egípcio de 25 anos na próxima temporada.

Esporte