PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jogadores viajam a outro país e até bancam salão pelo corte perfeito

Risca é marca registrada do cabelo de Balbuena - Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Risca é marca registrada do cabelo de Balbuena Imagem: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

09/03/2018 04h00

A risca e o cabelo raspado nas laterais já viraram marcas no zagueiro Balbuena. Vaidoso, um dos capitães do Corinthians faz questão de sempre visitar o cabeleireiro antes de cada partida. "Ele é bem vaidoso, nunca vai para uma partida sem cortar o cabelo", explica Manias Black, responsável por cuidar dos cabelos dos jogadores do time alvinegro.

Willian pedia para Seu Elias ir de Belo Horizonte a São Paulo para cortar seu cabelo - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Willian pedia para Seu Elias ir de Belo Horizonte a São Paulo para cortar o cabelo
Imagem: Arquivo pessoal

A preocupação com o cabelo não é exclusiva de Balbuena. Tem jogadores que confiam tanto em um cabeleireiro que nem se arriscam em novos lugares. Romero só corta o cabelo quando vai ao Paraguai. Já Willian Bigode, atacante do Palmeiras, pediu para que seu cabeleireiro de confiança fosse de Belo Horizonte para São Paulo para o primeiro corte em outra cidade.

"Quando o Willian saiu do Cruzeiro, tive que ir uma vez para São Paulo antes de ele arrumar um cabeleireiro lá", relembra Elias Torres, o Seu Elias. "Tive que arrumar um aluno meu de São Paulo para cortar o cabelo dele. Dei quase um tutorial para o rapaz. Ainda assim, sempre que o Willian vem para Belo Horizonte me encontra para cortar o cabelo".

Apadrinhamento parecido aconteceu com Neymar. Antes de ser apresentado pelo PSG no meio do ano passado, o atacante fez questão que o cabeleireiro Nariko Hairstyle viajasse do Brasil para a França para cuidar de seu cabelo antes do evento.

Jogadores do São Paulo ajudaram a construir salão

Vagner Silva e Jucilei, no CT do São Paulo - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Jucilei ajudou na construção do salão de Vagner
Imagem: Arquivo pessoal

Vagner Silva se tornou amigo do zagueiro Breno por meio das redes sociais. O jogador gostou dos cortes postados por ele e decidiu levá-lo ao Centro de Treinamento do São Paulo. Breno não está mais lá - foi emprestado ao Vasco -, mas Vagner se prepara para completar quase três anos visitando periodicamente os jogadores são-paulinos. "Mas toda vez que ele (Breno) está em São Paulo, ele me chama e vou na casa dele cortar".

Em uma dessas idas ao São Paulo, Silva comentou com o volante Jucilei que não tinha um salão próprio. O jogador reuniu os companheiros de equipe e decidiu fazer uma "vaquinha" para ajudá-lo.

"O Breno já estava no Vasco nessa época. O Jucilei tomou a iniciativa com o Junior Tavares, o Douglas (Chapecoense) e o Wellington (Vasco). Um passou para o outro e todo mundo ajudou", conta Silva, que hoje possui um salão em Guaianases, zona leste de São Paulo.

Cabelo de Neymar já passou por várias mãos, mas ele define o corte

Apesar de ter feito com que Nariko viajasse do Brasil para a França, Neymar já colocou seu cabelo nas mãos de diversos cabeleireiros. Acostumado a constantemente mudar o visual, o brasileiro vai para a cadeira com a ideia clara de qual penteado deseja.

Seu Elias junto com Neymar e Neymar pai - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

"Cortei do Neymar quatro vezes. Cada vez que a gente se encontrou foi um cabelo diferente. Os caras são sempre muito certos do que eles querem. O Neymar não te dá muitas opções, é mais o jeito dele: corta assim e pronto", relembra Seu Elias, que também cortou o cabelo de Messi na Copa do Mundo. "Naquela época ele não era muito vaidoso, só pediu para manter o corte que já estava".

Nilson Iriri é responsável pelo cabelo de boa parte dos jogadores do Rio de Janeiro. O encontro com Neymar aconteceu quando o atacante ainda jogava na seleção brasileira sub-20. E o pensamento era um só: "avacalhar na minha mão não pode", brincou. "Ele já vinha com o cabelo alisado, então eu não relaxava o cabelo todo, só passava o produto onde estava crespo".

Nilson Iriri era responsável pelas tranças de Vagner Love - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Nilson Iriri era responsável pelas tranças de Vagner Love
Imagem: Arquivo Pessoal

Além de alisar os cabelos de Neymar, Iriri cuidava de outro penteado que ficou famoso no meio do futebol: as tranças de Vagner Love. Foi justamente por causa do ex-atacante de Corinthians, Flamengo e Palmeiras que ele aprendeu a fazer o penteado.

"O Rogerinho, do Grupo Revelação, deu meu telefone para o Vagner Love. Quando comecei a fazer as tranças, meu nome deslanchou mais. Fazia do Love, do Carlos Alberto (ex-Fluminense), do Arouca...".

A fama percorreu todo o Rio de Janeiro - "corto de gente do Botafogo, do Flamengo, do Vasco, do Fluminense" - e foi parar na Itália. Oriundo das categorias de base do Fluminense, o meia Gerson fez uma promessa com Iriri: caso a Roma, seu atual time, chegue à final da Liga dos Campeões, levará o cabeleireiro para a Europa para cuidar do corte de todos os jogadores. "Por falar nisso, a Roma joga hoje?".

Futebol