PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Técnico de Felipe e Pedrinho e freguês da geração 98. A ligação Zé e Vasco

Zé Ricardo como técnico de futsal da base do Vasco na década de 1990 - Arquivo Pessoal
Zé Ricardo como técnico de futsal da base do Vasco na década de 1990 Imagem: Arquivo Pessoal

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/08/2017 04h00

Para muitos, desassociar a imagem de Zé Ricardo do Flamengo ainda demorará. Com dez anos de Rubro-Negro, ele construiu sua história na Gávea. Mas se engana quem pensa que não há uma ligação entre o treinador e o rival Vasco, sua nova equipe. De técnico de Felipe e Pedrinho no futsal cruzmaltino aos confrontos na base com seus futuros atletas, o comandante também tem o que dizer no que se refere ao clube de São Januário.

A passagem anterior de Zé Ricardo pelo Vasco foi no futsal, na década de 1990 e entre 2008 e 2009. O período mais marcante foi em 1993, no infanto-juvenil, quando comandou Felipe e Pedrinho, dupla que posteriormente marcaria seus nomes para sempre no clube.

“Eu sei que o Zé já me deu bastante dura (risos). É óbvio que, pelo fato do plantel não ser recheado de craques, ele acabou tendo que me aturar (risos). Mas já cansou de me tirar, me colocar só no segundo tempo...”, recordou Felipe em entrevista à TV Globo.

No elenco atual, Zé Ricardo encontrará antigos adversários dos tempos de técnico de campo das divisões de base do Flamengo. A vitoriosa “geração 98” do Vasco, que conta com Mateus Vital, Evander, Alan, Caio Monteiro e o volante Douglas, vendido ao Manchester City recentemente, costumava dar trabalho ao treinador. O quinteto, junto com Paulo Vitor, que é de 1997, levou a melhor sobre o comandante, principalmente no período de sub-15, quando sagraram-se campeões cariocas e da Taça Guanabara sobre o novo chefe.

Antigo pupilo de gerente de futebol

Entre os dirigentes vascaínos, Zé Ricardo também não ficará totalmente desentrosado em seu início. Gerente de futebol do clube, Anderson Barros é seu velho conhecido e foi o responsável por levá-lo ao futsal do Flamengo, em 1998, quando o cartola ocupava um cargo de direção na modalidade do Rubro-Negro. Na época, o treinador dava aulas de Educação Física na escola onde a filha de Barros estudava e o dirigente resolveu lhe dar a oportunidade.

Agora, por exemplo, foi na casa de Anderson que Zé recebeu a proposta oficial do Vasco e o dirigente teve total influência no negócio.

Bem falado nos corredores de São Januário

Tão logo o nome de Zé Ricardo começou a ser especulado, jogadores e funcionários do Vasco passaram a buscar informações sobre o treinador em seus contatos no Flamengo, e as referências foram as melhores possíveis. O fato de ser um técnico agregador foi bem recebido internamente, uma vez que o relacionamento com Milton Mendes era problemático.

O lateral esquerdo Ramon, que também defendeu o Flamengo, já confirmava as expectativas positivas por Zé antes do acerto:

“O futebol é muito pequeno. Todo mundo se fala e não teve uma pessoa que me falou mal do Zé Ricardo. Ele ou qualquer outro que vier, vamos receber de braços abertos”.

Futebol