PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Aos 34 anos, Nenê sonha com seleção e torce para Dunga ver jogos do Vasco

Nenê diz que idade engana a condição física do atleta e se coloca a disposição de Dunga - Paulo Fernandes / Site oficial do Vasco
Nenê diz que idade engana a condição física do atleta e se coloca a disposição de Dunga Imagem: Paulo Fernandes / Site oficial do Vasco

Do UOL, Rio de Janeiro

28/01/2016 15h06

Sonhar não custa nada. Referência do Vasco e um dos destaques do Campeonato Brasileiro do ano passado, Nenê ainda tem o desejo de atuar pela seleção brasileira mesmo aos 34 anos. Empolgado com a renovação de contrato feita no início do mês, o meia torce para que o técnico Dunga assista aos jogos do Cruzmaltino em 2016 e o observe.

“Eu sonho. Ainda tenho que sonhar. Já atuei pela seleção, mas foi no pré-olímpico, na principal ainda não. Depois que saí do país me distanciei muito. Pensei no lado financeiro antes. Felizmente, estou no Brasil, estou mais perto e espero que o Dunga esteja vendo os nossos jogos. Por que não voltar? Se tiver uma chance, vou ficar muito feliz de realizar esse sonho”, disse o jogador ao programa “Seleção Sportv”.

Elogiado pela parte física na pré-temporada do Vasco, Nenê levantou a bandeira de que o bom condicionamento pode suprir a idade avançada.

“É uma meta estar na seleção. Profissionalmente, ainda tenho muitos anos. A idade engana um pouco a condição do atleta. Tomara que dê certo”, declarou o meia, que renovou com o Vasco até o fim de 2017.

Um dos líderes da equipe que vai disputar a Série B, Nenê sabe que terá dificuldades pela frente durante a temporada.

“Falamos que é uma obrigação. Temos que chegar em novembro e já estarmos de volta à Série A. Esse é o objetivo do ano. Estamos conversando sobre isso desde o primeiro dia da pré-temporada. Claro que o Carioca e a Copa do Brasil são importantes. Quem sabe sairemos com o título da Série B, mas sabemos que será difícil, muitas viagens longas, não sei como vão estar os estádios... Vamos ser os protagonistas, sabemos da nossa responsabilidade”, disse.
 

Futebol