PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Paulo Nobre vê 22 titulares no Palmeiras: "Marcelo tem que resolver isso"

Paulo Nobre está satisfeito com o elenco montado para a temporada 2016 - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Paulo Nobre está satisfeito com o elenco montado para a temporada 2016 Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Do UOL, em São Paulo

18/01/2016 21h47Atualizada em 03/08/2020 21h14

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, está satisfeito com o elenco que foi montado para as competições que o clube irá disputar durante a temporada.

Em entrevista ao programa "Boa noite Fox", da Fox Sports, o dirigente salientou a qualidade do elenco alviverde, que agora possui mais de um titular por posição, e brincou ao dizer que, agora, o "problema" está nas mãos do treinador Marcelo Oliveira.

"Eu prefiro ter o problema de ter jogadores em excesso, mais do que um titular por posição, e passar esse problema pro Marcelo resolver. O duro é quando você quer montar um time e o elenco não te proporciona isso. Você vê que não tem um lateral, um zagueiro, um volante, precisa improvisar... A ideia é que, em 2016, assim como foi em 2015, o Palmeiras tenha um elenco para poder disputar todas as competições", declarou Nobre.

O dirigente ainda descartou a possibilidade de ter jogadores insatisfeitos no elenco por ter poucas oportunidades de demonstrar seu futebol. Para Nobre, é importante que o rodízio de atletas aconteça de forma natural para que todos sintam-se importantes.

"Em um elenco deste tamanho, todos têm condições de vestir a camisa do Palmeiras. O que pode acontecer, agora em 2016, é esse rodízio acontecer de forma natural. Assim, você não teria 11 satisfeitos e 22 insatisfeitos. Todo mundo participa e tem a sua importância. Haja visto o Matheus Salles, que entrou na reta final contra o Santos e acabou se saindo muito bem. Todos fazem parte dos planos do Palmeiras hoje", salientou o dirigente.

Paulo Nobre também destacou a importância da disputa da Libertadores da América para o clube alviverde. De acordo com o dirigente, o clube tem totais condições de entrar em campo com chances de conquistar o bicampeonato do torneio continental.

"É um torneio importante, que todos os clubes almejam. É uma competição que pode levar a gente a disputar o Mundial. O Palmeiras, entrando em campo, tem que buscar o título. O Palmeiras valoriza todas as competições. Temos que ter a cabeça no lugar, não adianta ficar olhando para o futuro, tem que focar no próximo jogo. Vamos disputar com seriedade a primeira fase. Se conseguirmos uma pontuação interessante para decidir os jogos em casa, o Allianz vai ser um caldeirão", projetou Nobre.

Por fim, o dirigente negou a possibilidade de priorizar o torneio continental, deixando de lado a disputa do Campeonato Paulista. Para Nobre, o elenco montado tem condições de oferecer peças de reposição para que a equipe dispute os dois torneios com força máxima.

"O Paulista começa no final de janeiro, a Libertadores começa em fevereiro, são as duas primeiras competições do ano e temos que jogar com força total, com muito respeito aos adversários, mas buscando os pontos", concluiu o dirigente.

Nobre aposta em Cleiton Xavier, mas vê potencial substituto

Após o meia Cleiton Xavier sofrer nova lesão, que o deixará afastado dos gramados por até 60 dias, Paulo Nobre segue confiante que o jogador conseguirá desempenhar seu melhor futebol com a camisa do Palmeiras.

Na opinião do dirigente, a falta da pré-temporada em 2015 acabou prejudicando a condição física do jogador, que ainda enfrentou problemas burocráticos relacionados à sua documentação antes de poder atuar novamente pelo clube alviverde.

"Ele chegou durante o Paulista, teve problemas de liberação e só o inscrevemos pra final do Paulista. Ele se contundiu depois na Copa do Brasil. Imaginávamos que, agora na pré-temporada, ele tivesse a deslanchada que todos esperam. Tenho muita esperança nele ainda, infelizmente ele se machucou. Esperávamos algumas lesões na temporada, até por isso temos peças para substituir. Aconteceu na pré-temporada, mas temos peças de reposição para que o Cleiton possa se recuperar", destacou o dirigente, que disse entender as reclamações da torcida.

"É natural o torcedor se decepcionar. Quem cuida do futebol tem que tratar com certa naturalidade, porque essas coisas acontecem. Isso poderia acontecer no decorrer do ano. O importante é recuperar o jogador o quanto antes para que ele possa ajudar a equipe. Torcedor quer as coisas em passe de mágica, quer que você chegue ao título, não importa como chegue. É preciso entender que ele é um ativo da casa e a gente ainda acredita que ele pode render bons frutos. Jogador dessa qualidade, quando tem sequência e possibilidade, dá retorno", pontuou o dirigente, que já vê no elenco um possível substituto para o camisa 10.

"O Régis é um jogador jovem, que era cobiçado por outras equipes, que inicialmente trouxemos para compor elenco. Mas, com a qualidade que já vi que ele tem nos treinamentos, ele chega e já quer o espaço dele. Como aconteceu no ano passado quando criticaram quando contratamos o Robinho que, na simplicidade dele, ganhou o espaço e mostrou que é o grande jogador que imaginávamos, mas se concluiu na pratica", finalizou o dirigente.

Presidente prefere excesso de jogadores a falta de peças depois

"Toda peça é fundamental. Você tem um carro de 1 milhão/1,5 milhão, uma peça de 5 euros que quebre, já fica no caminho. Melhor esse problema ao Marcelo do que outro problema que tenha que improvisar. Estamos tentando aprender com o que aconteceu no ano anterior", disse e ainda explicou a contratação de Jean.

"Trouxemos o Jean para poder ter opções, dar experiência, bagagem. A gente precisava de um time mais cascudo para essas competições que vamos disputar", completou.

Futebol