PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Santos pretere promessas do Paulista e diz que só pensa em reforço top

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

15/04/2014 18h25

Após a perda do título paulista diante do Ituano no último domingo, o gerente de futebol do Santos, Zinho, foi o primeiro a conceder entrevista coletiva no CT Rei Pelé. O dirigente, que optou por preservar os atletas, falou sobre o futuro do clube na temporada. Em relação a reforços, Zinho preteriu as promessas do Paulistão e disse que o Comitê Gestor só pensa em jogadores top no mercado.

O dirigente fez questão de dizer que o Santos foi o melhor time do Campeonato Paulista e que nenhum jogador do Paulista se destacou acima da média para ser contratado. Zinho não se empolgou com o volante Jackson Caucaia, do Ituano, um dos atletas especulados para reforçar o time da Vila Belmiro.

"Fortalecemos esse grupo no início com alguns atletas, trouxemos agora o Bruno Uvini. Dentro do que vimos no campeonato todo, não vimos nenhum jogador acima dos nossos. A nossa equipe foi a melhor do Paulista. Perdemos nos pênaltis, mas, dentro da competição, ninguém foi melhor. Tivemos cinco atletas (na seleção do campeonato), o melhor treinador, artilheiro, craque e a revelação. Não vi nenhum atleta que possa tomar o lugar de alguém do elenco. Para vir hoje, tem que ser top. De promessas já tenho muitas aqui", disse o dirigente.

"Subiram dez jogadores da Copinha que tem um futuro brilhante e tem amadurecido. Para trazer alguém que vai tirar o espaço de um jovem talento, não faz sentido. Com um top, porém, não tem o que contestar só que no momento, pela parte financeira, está difícil. Já indiquei dois ou três jogadores, isso foi para o nosso Comitê Gestor, mas acho que vai esbarrar na situação financeira. O Caucaia fez dois bons jogos finais, mas não é uma posição que interessa", completou.

O jogador top que a diretoria do Santos sonha é o meia Diego, que está emprestado ao Atlético de Madrid, da Espanha, até o meio deste ano, e encerra o seu contrato com o Wolfsburg, da Alemanha.

"Eu queria o Diego quando era diretor do Flamengo, mas o financeiro não era viável. É um top e sonhar a gente sempre sonha. Hoje, por exemplo, fui dormir às 4h30. Sonhar, sonho com muitos nomes, mas o meu grupo é bom, confio muito neles. São jogadores talentosos, com nomes muito bons, que vão amadurecer muito", disse Zinho.

A diretoria do Santos tem um pré-acordo com o jogador em relação a salários e luvas e não precisará pagar por direitos econômicos. Em janeiro, o clube assustou com a pedida do clube alemão, que exigiu 4 milhões de euros (aproximadamente R$ 12 milhões) para liberá-lo antes do término do contrato no meio do ano.

Além de fazer uma proposta salarial de R$ 600 mil mensais a Diego no inicio do ano, a diretoria santista ofereceu ao jogador mais R$ 3 milhões de luvas - valor que seria como um bônus, um pagamento feito por fora do contrato e dos salários para ele acertar com o time - montante que seria dividido em três anos, período do contrato oferecido pelo Santos ao atleta.

Os dirigentes santistas acreditam que esse tipo de salário, R$ 600 mil e mais luvas, só pode ser pago a um jogador que possui extrema simpatia da torcida. Diego, ao lado de Robinho, foi protagonista do título brasileiro de 2002, que encerrou a fila de 18 anos do clube sem uma conquista de expressão.

Futebol