PUBLICIDADE
Topo

Esporte


Com obras na fase final, vizinhos revelam alívio e saudades de jogos no Independência

Operários trabalham na reforma do Independência, no Bairro do Horto, em Belo Horizonte - Osvaldo Afonso/Secom/Divulgação
Operários trabalham na reforma do Independência, no Bairro do Horto, em Belo Horizonte Imagem: Osvaldo Afonso/Secom/Divulgação

Guyanne Araujo

Em Belo Horizonte

17/11/2011 06h00

Apesar do trânsito e movimento em dias de jogos, vizinhos do Independência, não escondem a ansiedade para o fim das obras e o reinício dos jogos. Com o avançar da reforma, os moradores do entorno do estádio oficialmente denominado Raimundo Sampaio, se dizem preparados para conviver com a rotina do futebol. O secretário extraordinário da Copa do Mundo em Minas, Sérgio Barroso, confirmou o término das obras para dezembro deste ano e anunciou, semana passada, sua reinauguração com uma partida da seleção brasileira na segunda quinzena de fevereiro.

  • Oswaldo Afonso/Secom/Divulgação

    Secopa-MG informa que a previsão de término das obras do Independência continua sendo final do ano

O Independência, que está localizado no Horto, tradicional bairro residencial da Zona Leste de Belo Horizonte, começou a ser reconstruído em 22 de janeiro de 2010 e já passou por várias datas para ser entregue, o que está cada vez mais perto de acontecer, segundo o Governo de Minas, responsável pela reforma do antigo ‘Campo do Sete’, como era chamado em referência ao seu antigo proprietário e que foi construído para a Copa do Mundo de 1950.

“O prazo é o seguinte: até o final do ano as obras estão prontas. A partir de janeiro vamos preparar o estádio com alguns acabamentos finais para o jogo da seleção brasileira que vai acontecer na segunda quinzena de fevereiro”, afirmou Sérgio Barroso. Após a partida da seleção, o estádio voltará a abrigar jogos do campeonato mineiro e Brasileiro.

Acostumados com os gritos da torcida e o contando os dias para o final da reforma do estádio, que deverá ser utilizado como local de treinamento de seleções na Copa de 2014, Fauzi Jorge, 59 anos, vizinho de frente ao ex-campo do Sete de Setembro, disse que o período de obras tem sido indigesto, já que não conseguem nem dormir.

“Como morador me sinto privilegiado de estar de frente para um estádio de uma envergadura dessa. Tenho muita sorte, não tenho vizinho de frente, mas tenho um estádio, então tenho que estar preparado. Estou preparado, já estou vacinado. Eu gosto de futebol, eu tenho que conviver com isso é a modernidade”, comentou o morador há 45 anos desse local. Ele diz preferir os dias dos jogos às obras. “Prefiro, é muito interessante, muito bom, principalmente o jogo do América que é uma família”, contou o torcedor americano.

Segundo ele, a expectativa para a reta final das obras está muito grande, apesar de teme um pouco de atraso. Fauzi ainda contou sobre as fases que o estádio já passou em outras épocas. “Eu morava aqui, a rua era de pedra, vi o primeiro estádio, participei do segundo estádio, agora estou vendo esse agora para mim é uma alegria muito grande, estou gostando do fim das obras. Não vejo a hora de acabar”, salientou.

A data inicial para a entrega da obra era setembro de 2010, a tempo de Cruzeiro e Atlético disputarem a reta final do Brasileirão no Independência, o mesmo acontecendo com o América-MG na Série B. Não foi o que aconteceu. A data foi alterada em maio para 30 de outubro e depois para novembro. Posteriormente, houve outro adiamento para o final do primeiro semestre de 2011. O Governo de Minas mudou a sua previsão mais uma vez, garantindo que o estádio estará pronto até dezembro próximo.

  • Oswaldo Afonso/Secom/Divulgação

    Vizinhos do Independência (f) não escondem a ansiedade para a reabertura do estádio e dizem que estão com saudades de ver a bola rolando, retornando os jogadores e saindos os operários

Fauzi contou que começou a reforma de sua casa junto com o estádio. “Foi investimento que eu fiz”, afirmou, enfatizando que não tem nenhuma intenção de se mudar em função de um estádio novo na vizinhança. “Daqui eu não saio, minha raiz está fixada aqui. Isso aqui é o meu sonho, minha raiz, eu não abro mão disso. A esperança que eu tenho que isso venha trazer tudo de bom. Tenho muita identidade com o estádio, acho que isso vai fazer parte de Belo Horizonte”, destacou o morador que contou ter se animado em fazer sua ‘casa nova’ por causa do novo Independência.

Glaucia Silva Araújo, 37 anos, que há 30 mora em frente ao estádio, incomodada com as obras, conta que limpa sua casa duas vezes ao dia, por causa da poeira. “Não aguento mais as obras, que incomodam muito. Estou doida para o fim. O jogo é um dia, as obras são todos”, compara. 

Ela conta que em dias de jogos é uma festa. “Converso com as pessoas, é legal demais, ver os torcedores agitados para ver o time, ver o pessoal vibrando. Não tem nem comparação com esse barulho e poeira”, comentou a moradora, que disse não se incomodar, por exemplo, com o trânsito no local no dia do jogo. “Trânsito tem todo o dia”, enfatizou.

Para a moradora o dia do jogo é como se fosse um ponto de reencontro que serve para rever pessoas, rir e bater papo. “Estou com saudades do Independência, estou contando os dias para a reta final das obras. A Arena do Jacaré é muito longe, é ruim para todos, torcedores, times, jogadores. Aqui as pessoas podem vir a pé do centro. O interessante é isso”, destacou.

Sua mãe, Hermínia de Araújo, 73 anos, que tem um comércio na parte da frente de sua casa, disse estar ‘doida’ para as obras acabarem. “O barulho do futebol é a alegria de estar junto com eles”, destacou a moradora ao dizer que o ‘campo’ virou estádio. “Estou feliz. Moro em frente a um estádio que traz alegria com os jogos”, ressaltou a moradora que disse preferir o campo a ter outros tipos de vizinhos como escola, cemitério, cadeias.

Andamento das obras

De acordo com Sérgio Barroso, as obras estão dentro do programa. “A obra em si estará pronta no final do ano. A obra está em dia. O estádio está terminando, está ficando muito bonito e vamos ter o segundo grande estádio de categoria internacional em Belo Horizonte”, ressaltou o secretário, referindo-se ao Mineirão, cuja previsão de término das obras é para dezembro de 2012. O Independência deverá ser utilizado para treinamento de seleções não apenas na Copa de 2014, mas, um ano antes, na Copa das Confederações, em 2013.

Com um custo de R$ 120 milhões de reais, o estádio terá 25 mil lugares. As coberturas já estão adiantadas, o gramado já está plantado, com drenagem pronta, as arquibancadas estão prontas e começam a receber as cadeiras. “Então, temos muito adiantamento, o vestiário já está começando a fase final dele. Estamos bastante adiantados aqui. Os estádio em si, as obras, ficarão pronta até o final do ano, a operação dele para o jogo da seleção brasileira e em seguida teremos o Campeonato Mineiro, Brasileiro, Sul Americana”, destacou Sérgio Barroso.

O estádio terá seis portões de acesso e estacionamento para 422 vagas. Duas novas torres de serviço vão abrigar bares, lanchonetes e lojas. Para os profissionais de comunicação, haverá 18 cabines de imprensa para transmissão dos jogos em rádios e TV e 72 postos de trabalho para imprensa escrita. Já a área VIP e de camarotes terá capacidade para 2.225 pessoas.

Esporte