PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Dele Alli não foi o primeiro: 11 comemorações de gol que viraram mania

Ed Sykes/Reuters
Imagem: Ed Sykes/Reuters

Do UOL, em São Paulo

22/08/2018 04h00

Uma cabeçada do meia inglês Dele Alli garantiu a vitória do Tottenham sobre o Newcastle na estreia do Campenato Inglês. Mas ninguém lembra do gol. O que chamou atenção mesmo foi a comemoração. Um simples gesto com a mão que viralizou na internet - justamente por não ser tão simples assim. O "Desafio do Dele Alli" virou mania até entre as celebridades e lembrou outras comemorações que fizeram sucesso no futebol: 

  • RODRIGO COCA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

    Alexandre Pato

    O atacante ainda jogava no Corinthians quando intrigou os torcedores com esta comemoração em que parece simular uma máscara. "É uma coisa boba. Vocês vão descobrir ainda", despistou após fazer o gesto pela primeira vez, em uma vitória contra o Bahia pelo Brasileirão de 2013. Meses depois, o zagueiro Felipe revelou o significado: "No começo ele foi muito misterioso, mas agora nós sabemos que é a pata do Pato. Ele é um brincalhão".

  • Giorgio Perottino/Reuters

    Paulo Dybala

    O argentino da Juventus tem como marca registrada um gesto parecido ao que Pato fazia. Até mesmo o seu logotipo faz menção à "máscara" que ele costuma imitar nas comemorações de gol. No começo, ninguém sabia do que se tratava. Questionado pelos fãs, ele respondeu em um vídeo postado no Facebook: "É a máscara de um gladiador. Quando estamos em dificuldades, às vezes precisamos vestir nossa máscara de guerreiro para sermos mais fortes, sem perder o sorriso e a cordialidade".

  • AFP PHOTO / GABRIEL BOUYS

    Mario Balotelli

    Talvez o momento mais marcante da carreira do polêmico jogador italiano tenha sido o golaço marcado contra a Alemanha nas semifinais da Eurocopa de 2012. Mais do que o gol, o que ficou na memória foi a pose que ele fez, sem camisa, imitando o Hulk. A cena virou meme na época. E ele teve que explicar por que não costuma demonstrar alegria nas comemorações: "Um carteiro comemora quando entrega uma carta? É o meu trabalho, por que comemorar?".

  • REUTERS/Fadi Al-Assaad

    Kidiaba

    No dia 14 de dezembro de 2010, o Internacional sofreu uma das piores derrotas de sua história. Talvez você não lembre como foram os gols do Mazembe na vitória por 2 a 0 pela semifinal do Mundial de Clubes - muito menos os nomes dos autores. Mas com certeza você lembra de Kidiaba. A imagem do jogo foi a dancinha do goleiro quicando no chão para comemorar o resultado histórico. Virou o símbolo do vexame colorado e chegou a ser imitada por Carlos Alberto na época em que ele jogava no Grêmio.

  • Reprodução

    Cristiano Ronaldo

    Em novembro de 2013, Portugal e Suécia se enfrentaram na repescagem das eliminatórias europeias, valendo uma vaga na Copa do Mundo. De um lado Zlatan Ibrahimovic, autor de dois gols pela Suécia. Do outro, um tal de Cristiano Ronaldo. O cara fez os três gols da vitória portuguesa e garantiu sua seleção no Mundial. Depois de fazer o gol da vitória, ele apontou para si mesmo e disse "eu estou aqui", criando a mais famosa (e imitada) de suas comemorações.

  • Xinhua/Adrián Macías/MEXSPORT

    Ronaldinho Gaúcho

    "Faz o sinal do Ronaldinho", diz a letra de funk. Mais do que um simples "hang loose", a comemoração do Bruxo virou símbolo de sua ousadia com a bola nos pés. E tudo começou com uma letra de pagode: "Era uma música do Molejo, tinha uma parte que era 'colé, colé'. Nas comemorações, eu começava sempre a dançar. A partir dali, todos os gols eu comecei a comemorar daquela forma, e aí virou marca para o resto da vida", revelou em entrevista ao "Bolívia Talk Show". O mesmo gesto foi adotado por outros boleiros famosos como Griezmann e Gabriel Jesus.

  • Catherine Ivill/Getty Images

    Paul Pogba

    O "dab" é um passo de dança de hip-hop que ganhou popularidade graças ao quarterback da NFL Cam Newton, que costumava executá-lo em suas comemorações. No futebol, o grande "embaixador do dab" é o francês Paul Pogba, que fez do gesto sua marca registrada. Até com a taça da Copa do Mundo nas mãos ele deu um jeito de apresentar a dancinha. O inglês Jesse Lingard, companheiro no Manchester United, costuma acompanhar Pogba fazendo o dab nas comemorações de gol.

  • EDSON RUIZ/ESTADÃO CONTEÚDO

    Aloísio "Boi Bandido"

    O atacante virou xodó da torcida do São Paulo em 2013 após comemorar um gol dando uma voadora no técnico Muricy Ramalho. O "golpe" começou a ser repetido em todas as suas celebrações de gol - no lugar do técnico, o alvo passou a ser a bandeirinha de escanteio. A voadora de Aloísio virou até camisa vendida nas lojas do clube e foi repetida em sua passagem pela China.

  • Moacyr Lopes Junior/Folhapress

    Armeration

    O hit do Carnaval de 2010 era a música "Rebolation", do Parangolé. Em março daquele ano, o Palmeiras venceu o Santos por 4 a 3 em um jogaço pelo Paulistão. Liderados por Neymar, os "Meninos da Vila" saíram na frente abrindo 2 a 0 e comemoraram com muitas dancinhas, como sempre faziam. Quando o Palmeiras empatou, foi a vez de Diego Souza, Robert e Ewerthon devolverem na mesma moeda. Diante da torcida do Santos na Vila Belmiro, eles começaram a dançar o Rebolation. O colombiano Pablo Armero tentou acompanhar... E foi aí que nasceu a dança conhecida como "Armeration", que virou mania nacional - princialmente entre os palmeirenses.

  • Antônio Gaudério/Folha Imagem

    Bebeto

    O gesto "embala nenê" feito após o segundo gol do Brasil contra a Holanda nas quartas de final da Copa de 1994 virou uma comemoração clássica, imitada por muitos outros jogadores desde então. Foi uma homenagem ao filho Matheus, nascido dois dias antes. "Em todos os lugares as pessoas queriam saber do filho. Vi jogador de outro país repetir a comemoração", relembrou Denise, mulher de Bebeto, sobre a repercussão na época.

  • Zumapress

    Soco no ar de Pelé

    Outra comemoração clássica que passou a ser imitada por inúmeros jogadores. Assim como a mística da camisa 10, é algo que parece ter nascido junto com o futebol, mas na verdade é uma criação do Rei. Surgiu como uma resposta para as vaias de torcedores santistas. "Foi espontâneo, saiu espontâneo. Aí muitos outros jogadores começaram a dar e começaram a inventar, dar soco de baixo para cima, porque disseram que estavam imitando".

Futebol