PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Times de futebol fazem festa gay e LGBTs podem torcer sem preocupação

Amigos se reúnem em festa gay para ver jogo do Brasil na Copa - Adriano Wilkson/UOL
Amigos se reúnem em festa gay para ver jogo do Brasil na Copa Imagem: Adriano Wilkson/UOL

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

06/07/2018 18h28

Dois times de futebol com jogadores gays fizeram uma grande festa para ver o jogo do Brasil contra a Bélgica nesta sexta-feira (6). Mesmo com a eliminação brasileira da Copa, os Unicorns e os Futeboys aproveitaram a estrutura de uma balada no centro de SP para se reunir com outros amigos e simpatizantes e festejar.

Copa vai chegando a sua reta final; veja os próximos jogos decisivos
Geração Neymar falha novamente e Brasil chega a 8 anos de coadjuvante
Com pouco brilho e dores, Neymar dá adeus melancólico à Copa

Os dois times fazem parte da LiGay, uma organização que, em novembro, fará um campeonato nacional de times só com jogadores gays.

A balada Lions foi fechada e ofereceu três telões que transmitiram a partida, reunindo muitos torcedores pouco habituados ao universo esportivo. "Pra que serve esse spray?", perguntou um rapaz quando o árbitro espirrou a espuma no gramado para marcar o posicionamento da bola em uma falta. Seu amigo explicou a utilidade do instrumento de arbitragem.

"Muitos gays têm aversão ao futebol, seja porque sofreram homofobia quando tentavam jogar quando crianças, seja porque acham um esporte bobo e sem sentido", disse o analista de marketing Bruno Host, de 30 anos. "Isso é uma coisa que a gente tem tentado desmitificar." Ele é um dos fundadores do Unicorns FC, que há três anos faz treinos semanais e participa de campeonatos de futebol society.

A torcida na balada gay é bastante diferente de um espaço semelhante de maioria heterossexual. Sentados em puffs espalhados pelo chão de um dos ambientes, os torcedores vibram nos lances de perigo, mas não mostram a mesma agressividade contra os erros do time que homens héteros mostrariam. O goleiro Alisson e o atacante Neymar, considerados os mais belos do time, recebem atenção especial. Depois de muita tensão, a derrota foi lamentada, mas não representou o fim do mundo.

Amigos se reúnem em festa gay para ver jogo do Brasil na Copa - Adriano Wilkson/UOL - Adriano Wilkson/UOL
Imagem: Adriano Wilkson/UOL

"Ficamos muito tristes com a derrota, principalmente porque terça que vem não será feriado", disse um dos deles, em referência à semifinal do Mundial, que agora terá França e Bélgica. "Eu vim mais pra paquerar porque estou carente", disse o ator Marcos Ferraz, rindo, para completar logo em seguida: "Tô brincando..."

Para um dos rapazes, acompanhar o jogo do Brasil junto com outros membros da comunidade LGBT foi uma chance de poder "ser quem você é, sem julgamentos". Nesse ambiente, eles podem torcer do jeito que quiserem e demonstrar carinho a quem quiserem sem o risco de represálias.

O tema da homessexualidade ganhou as páginas do noticiário do esporte desde que a Copa chegou à Rússia, um país que proíbe demonstrações públicas de afeto entre pessoas do mesmo sexo.

A festa "Beeem mininha", marcada para a hora do jogo do Brasil na balada "Metropol", também em São Paulo, trazia a foto do presidente Vladimir Putin maquiado em seu cartaz de divulgação, uma forma de protesto bem humorado. Drag queens foram convidadas a animar a torcida.

Já a "Season One", um bar que sempre transmite os episódios de RuPaul's Drag Race, dessa vez trocou o reality show preferido dos LGBTs pelo jogo da seleção. No convite da transmissão, os organizadores escreveram que "é bem complicado ficar à vontade nos bares heteronormativos."

"Percebemos que muita gente não tinha onde ver os jogos e por isso pensamos em um evento como esse", afirmou Bruno Host, do Unicorns. Depois do jogo, os telões foram desligados, e os DJs seguiram com a festa, tocando Anitta e Pablo Vittar, mesmo que o Brasil houvesse acabado de ser eliminado mais uma vez da Copa.

Esporte