PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

exclusivo
REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

CBF negocia antecipado com Globo por Copa do Brasil e incomoda SBT

Atlético-MG foi o campeão da Copa do Brasil 2021 - Lucas Figueiredo/CBF
Atlético-MG foi o campeão da Copa do Brasil 2021 Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

15/06/2022 12h00

Ao iniciar a negociação dos direitos de transmissão da Copa do Brasil, a CBF fez uma concorrência sem regras bem definidas que gerou propostas em modelos diversos e desconforto no mercado. Houve uma conversa antecipada com a Globo, que já fez uma oferta para manter seu acordo atual. Além disso, há propostas de agências de marketing esportivo por direitos mais amplos. O SBT ficou incomodado porque não foi chamado para rodada inicial e teve de correr para fazer uma proposta.

O contrato atual da Copa do Brasil vai até o final deste ano e tem a Globo como única detentora de direitos. A emissora sublicencia parte dos jogos para a Amazon. Quem cuida do novo contrato é o departamento comercial da CBF, comandado por Lorenzo Perales.

A CBF, inicialmente, sinalizou que contrataria uma agência para organizar a sua concorrência como fez a Conmebol para a Libertadores. Só que, em paralelo, houve conversas diretas com a Globo para a renovação.

A emissora já colocou uma proposta na mesa que envolve uma parceria com a Amazon. Pela oferta, que tem prazo limitado para ser aceito, haveria um aumento pequeno em relação ao valor pago atualmente. O patamar gira pouco abaixo de R$ 500 milhões por ano pelo que apurou o blog.

Em paralelo, agências como a IMG e Live Mode também fizeram propostas pelos direitos. No caso da IMG, que é uma empresa internacional e tem subsidiária cuidando da Libertadores, a oferta envolve todos os direitos da competição, inclusive patrocínio. Outras agências foram avisadas da possibilidade de fazer oferta.

Mas nem todas as emissoras não receberam a informação de que havia conversas diretas com a Globo. Por isso, o SBT ficou bastante incomodado. A emissora paulista já foi recebida dentro da CBF, mas tinha um prazo exíguo para montar sua proposta. Uma oferta comercial por direitos envolve cálculos e estudos comerciais para saber o que é viável oferecer para o detentor dos direitos.

Há outros agentes do mercado de direitos de TV também ficaram insatisfeitos como foi tocado o processo. Entenderam que, pela falta de regras fixas, ficou complicado entender qual o modelo da proposta desejado pela confederação para a Copa do Brasil. A expectativa era de que, com a nova diretoria da CBF, ocorresse algo estruturado como na Conmebol.

Internamente, há alegação na CBF que o processo ficou aberto para quem quisesse demonstrar interesse nos direitos. A argumentação é de todos que procuraram a entidade foram recebidos, isso inclui o SBT. Além disso, ressalta-se que há pouco tempo para acertar o novo contrato.

A Globo vinha monitorando os direitos da Copa do Brasil, já que é uma das prioridades manter a competição especialmente para ter jogos para a SporTV, fora da Libertadores. Por isso, a emissora se adiantou a qualquer proposta para fazer oferta. Há o entendimento de que qualquer um podia fazer o mesmo e apresentar proposta.

Diante dessa concorrência sem regras, ainda não está claro se a CBF vai de fato ter uma agência para negociar os direitos da Copa do Brasil ou acertar um contrato direto com uma emissora. A intenção do presidente Ednaldo Rodrigues, em princípio, era fazer um acordo mais curto por dois anos.