PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: São Paulo, de Luciano, escapa do rebaixamento. Vai escapar do golpe?

Luciano jogador do São Paulo comemora seu gol durante partida contra o Juventude no estádio do Morumbi  - Marcello Zambrana/AGIF
Luciano jogador do São Paulo comemora seu gol durante partida contra o Juventude no estádio do Morumbi Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

06/12/2021 22h30

O São Paulo estará na série A em 2022. A permanência foi conquistada com 3 x 1 sobre o Juventude.

O grande nome do jogo foi Luciano, com 2 gols, uma assistência e um comportamento digno e aguerrido que incentivou outros jogadores.

Ao contrário do vexame contra o Grêmio, os jogadores entraram em campo sabendo e entendendo a importância do jogo. Uma derrota ou mesmo um empate poderia manchar a gloriosa história do clube.

Agora, pode até chegar à Libertadores ou à Sul-Americana.

Mas o perigo não acabou. Se o time escapou, o clube ainda corre riscos.

O inimigo é interno. Um grupo de conselheiros pretende mudar o estatuto de forma a tornar o clube ainda menos democrático.

As mudanças preveem a reeleição do presidente, o aumento da duração do mandato dos conselheiros e a dificuldade de montar chapas.

O clube continuará comandado por um conselho de pouca representatividade. Fechado, cada vez mais. Um clube popular, presente em todas as cidades do Brasil, em todas as classes sociais continuará a ser comandado por homens brancos e, em sua grande maioria, conservadores.

Até Opus Dei tem por lá.

A maior ameaça ao São Paulo vem de seus conselheiros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL