PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: O choro do Rei e o grito de Mário Henrique

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

29/11/2021 13h00

O torcedor anônimo, sempre a ilustrar grandes conquistas, através das câmaras de televisão, que me perdoe, mas a grande, enorme, bela, linda imagem do título do Galo é o choro de Reinaldo, ei, ei, ei, Reinaldo é nosso Rei, após os dois gols de Hulk contra o Fluminense.

E quem era o Reinaldo que chorava como uma criancinha, como um homem, como um atleticano? O Rei de Punho Cerrado, o artilheiro de 255 gols, o hexacampeão 78/83, o menino que estreou com 16 anos em 73, quando ainda era fresco o título de Odair Bacchi e Cia, dois anos antes?

Era o Reinaldo de 28 gols em 18 jogos em 1977, ausente na final em que Waldir Peres impediu o segundo título de um Galo, que terminará o campeonato 12 pontos à frente do São Paulo?

Chorava o gênio que não pôde fazer seu Galo campeão ou chorava o torcedor que via o sonho de vida se concretizar? Chorava lembrando daqueles que tentaram proibir sua comemoração pantera negra? Lembrando dos beques que tanto bateram em seu joelho?

Não há escolha. Reinaldo não cabe em um. Reinaldo é muitos. E são 50 anos em que o choro esteve represado.

Muito tempo.

Muita gente, como lembrou Mário Henrique, da Rádio Itatiaia, que não pode ver o título. Por isso, como bem disse o Caixa, tem festa na terra e no Céu. Comandada, digo eu, por Beth Carvalho.

Mário Henrique estava no estádio. Ao vivo. E talvez não tenha visto o choro do Rei. Se visse, o teria descrito com emoção. E feito muito mais gente chorar.

Seria um golaço.

Peco a ele, que conheci em um avião há mais de 20 anos, que busque a imagem e marre o choro catártico de Reinaldo.

Aí, até eu choro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL