PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Guerrero completou a trinca do desprezo: Inter, Flamengo e Corinthians

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

03/05/2021 14h42Atualizada em 04/05/2021 15h04

Paolo Guerrero, através de seu empresário, pediu rescisão de seu contrato com o Inter. O vínculo vai até o final do ano e ele quer sair agora. Diz que o clube o desrespeitou porque não disse que ele é importante e que havia interesse na renovação.

Parece uma noiva neurótica. Se você não me pede em casamento, eu desmancho o noivado.

Bom, futebol é paixão para torcedores. Não para jogadores. Guerrero é calculista. Faz o que lhe é aprazível. Que pague a multa da rescisão e saia.

É a terceira vez que sai de um clube brasileiro pela porta dos fundos.

No Corinthians, foi dispensado na semana de um clássico contra o Palmeiras. O empresário disse que ele não estava se sentindo confortável e o Corinthians, diante de um pedido descabido, abriu mão de seus serviços.

E, se no Corinthians ele ficou marcado pelo gol no Mundial-12, no Flamengo ele esteve abaixo do que o clube esperava. Veio como o símbolo da virada, de uma nova era e foi apenas discreto.

Foi pego no antidoping quando servia a seleção peruana e o Flamengo suspendeu seu contrato. Acertadamente.

O Inter o contratou, mesmo sabendo que ainda estaria um período em inatividade por causa da suspensão. E Guerrero se contundiu. Mais tempo sem jogar.

Não sou daqueles que acham que Guerrero deve ao Inter porque recebeu em dia enquanto estava contundido. É obrigação.

O que não dá para aceitar é esse pedido de rescisão. Se tivesse falado antes, o Inter teria aberto mão de Abel Hernandez? E agora precisa buscar outro atacante.

Guerrero é Guerrero F. C. No más. Apenas isso. Nenhuma criança corintiana, rubro-negra ou colorada, grita seu nome. Todas têm vergonha de usar a camisa que um dia ganharam de presente.

É a escolha de Guerrero. A porta dos fundos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL