PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Wagner Ribeiro: "Igor Gomes deve sair em junho, por 25 milhões de euros"

Igor Gomes celebra gol pelo São Paulo contra o Atlético-MG - Marcello Zambrana/AGIF
Igor Gomes celebra gol pelo São Paulo contra o Atlético-MG Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

09/04/2021 04h00Atualizada em 09/04/2021 11h07

Wagner Ribeiro é um dos mais influentes agentes de jogadores no mercado brasileiro. Esteve presente nas carreiras de Kaká, Robinho e Neymar e hoje tem Vinícius Júnior, Igor Gomes, Martinelli (Arsenal), Emerson Royal, emprestado pelo Barcelona ao Betis e Matheus Nunes, do Sporting como seus principais clientes.

E jovens como Endrick (2006), do Palmeiras, Mateusão (2004), do Flamengo, Bruno Gonçalves (2003), do Red Bull, Emerson (2004), do Furacão, e Marquinhos (2003), do São Paulo.

A lista continua: David, 14 anos, que tirou do Flamengo para o Corinthians e aquém chama de "novo Imperador", Otávio, 14 anos, do Corinthians e quatro do São Paulo, Valtinho (15), Moreira e Mando (16), Cauê (18) e Gabriel Abdo (12, isso mesmo, 12 anos).

A seguir, a continuação da entrevista:

Qual o próximo jogador que você pretende levar para a Europa.

O Igor Gomes. Talvez na próxima janela. Agora é hora de começar os contatos para que o negócio saia.

Quanto você calcula o preço?

A multa dele é de 80 milhões de euros, mas é irreal. Ninguém está com tanto dinheiro assim. A pandemia parou tudo. Dá para conseguir 25 milhões em junho.

Ele ainda não explodiu como se prévia, né?

Culpa de Fernando Diniz. O cara tem o Daniel Alves, o melhor lateral do mundo e coloca de meia. E manda o Igor marcar lateral adversário. Atrapalha o garoto.

Vi uma publicação sua no twitter chamando-o de Cruyff

Foi antes. Agora é De Bruyne.

De Bruyne  - Divulgação - Divulgação
De Bruyne renovou com o City até 2025
Imagem: Divulgação

Cruyff, De Bruyne, o garoto de 14 anos é o novo Imperador. Você exagera, né?

É marketing. Tanto que você leu e não esqueceu.

Não dá para esquecer. Tiago Luis virou o novo Messi.

Pois é. Foi no campo do Nacional, em um jogo da Copinha. Estava com uns jornalistas estrangeiros que só falavam do Neymar. E eu falava do Tiago Luis. Aí, ele fez uma jogada bonita da direita para o meio e eu gritei: "Olha, é o novo Messi". Saiu no jornal espanhol, mas não deu negócio. Por causa dele, briguei com o [técnico Emerson] Leão. Aliás, briguei três vezes com ele.

Conta aí...

Apareceu uma oportunidade para o Tiago Luis na Espanha. Procurei o Marcelo Teixeira, que era presidente do Santos, e falei para ele não enfrentar o Figueirense.

O Leão não aceitou. Colocou em campo e ganhou por 1 a 0, gol dele. E o Leão ficou me ofendendo, então denunciei que o Tiago tinha contrato de gaveta, que era ilegal. Logo, o Leão e o Tiago deixaram o Santos. Outra briga foi no Corinthians.

Tiago Luis - Divulgação - Divulgação
Tiago Luís reforça o Rayong FC, time da Tailândia, em 2020
Imagem: Divulgação

Por causa do Lulinha?

Sim. O Lulinha tinha 16 anos e tinha voltado de um Sul-Americano onde fez 13 gols. O Tottenham me procurou com uma oferta de 6 milhões de libras.

Procurei o Nesi Curi, diretor da base, e ele disse que só vendia por 50 milhões de libras. Então, eu disse que não aceitaria que meu jogador, com 297 gols marcados, continuasse na base. Tinha de subir. Não queria que fosse titular, só que fizesse parte do grupo. O Leão não aceitou. Mas logo ele caiu, e o Lulinha subiu.

Não virou um grande jogador...

Ele esta no Japão, ganhando bem. Tem só 30 anos. No início da carreira, fiz um contrato de cinco anos para ele. Ganhou bastante dinheiro.

E a terceira briga?

Foi no Palmeiras. O Ilsinho tinha arrebentado na Copa São Paulo e o contrato ia terminar em junho. Fui falar com o [Salvador Hugo] Palaia, diretor de futebol, e falei minha oferta. Ele me chamou de louco. Não aceitou nem salário e nem luvas. Só que eu já tinha uma oferta do São Paulo e nem negociei.

Falei para o Palaia para ele subir para o profissional. O Leão falou que empresário não escalava time dele. Resultado: Ilsinho não subiu e foi para o São Paulo. De graça. E o Leão logo foi demitido.

Leão e Lucaa - Adriano Vizoni/Folhapress - Adriano Vizoni/Folhapress
Lucas recebe orientações do técnico Emerson Leão durante a partida contra o Bragantino
Imagem: Adriano Vizoni/Folhapress

A história do Juvenal [Juvêncio, ex-presidente e diretor do São Paulo] e o Dill é verdade?

Sim. O Kaká queria sair e o contrato estava acabando. Falei com o Real Madrid, mas o Leonardo, que jogava no Masters do Milan, interferiu e ele foi para a Itália. Consegui 8,5 milhões de dólares.

Fui cobrar minha porcentagem, e o Juvenal Juvencio disse que vender o Kaká para o Milan era fácil e que não ia me pagar um centavo. E disse que se eu vendesse o Dill, aquele atacante que estava na reserva, ele me dava 85%.

O que você fez?

Nada. Fiquei falando que o São Paulo vendeu um craque por preço de banana. O Juvenal entendeu errado e disse que a frase era do Silvio Berlusconi, dono do Milan. Saiu na imprensa da Itália. O Berlusconi não entendeu nada. Acho que ele nem sabe o que é banana.

Kaká e Neymar te deixaram. Pó quê?

São os papais. Resolveram tomar conta da carreira dos filhos. Fiquei chateado, mas cada um trata as coisas de um jeito. Eu faço tudo pelos jogadores.

Você tem um jogador de 12 anos que já passou por três clubes. Não é um absurdo?

O Gabriel Abdo. O pai é de Minas e colocou no Cruzeiro. Queria um time de São Paulo e coloquei no Palmeiras. Não se adaptou e foi para o São Paulo. Qual é o absurdo?

Um garoto de 12 anos já ter responsabilidade como profissional, ter agente e tudo o mais.

O moleque é bom desde os cinco anos. Joga bem demais. Já escolheu a profissão. O pai está ajudando como todo pai ajuda, não interessa a profissão. A vida é assim.

Menon