PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O dérbi resiste a tudo e consagra Edina Alves Batista

Árbitra Edina Alves Batista, no clássico entre Corinthians e Palmeiras - Marcello Zambrana/AGIF
Árbitra Edina Alves Batista, no clássico entre Corinthians e Palmeiras Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

03/03/2021 21h26Atualizada em 03/03/2021 21h37

Reservas do Palmeiras contra "sobreviventes" da covid. Debaixo de um aguaceiro enorme. E, com tudo isso, o Corinthians x Palmeiras foi bom.

Teve gols dos garotos Gabriel Silva e Rodrigo Varanda. Teve velocidade do Palmeiras nos seus gols. Teve casquinha de Jô no gol de Vital.

Teve provocação desnecessária do Corinthians. Teve a PM tentando acabar com o painel. Como se não houvesse trabalho mais importante a ser feito.

E teve a Edina Alves Batista, a primeira mulher a apitar um dérbi. Com sobriedade, educação e firmeza.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon