PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

C.T.Flamengo, o novo rico

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

27/09/2020 13h38

O incêndio no Ninho do Urubu causou a morte de dez jogadores da base do Flamengo.

O clube escalou um time de advogados para discutir indenizações com as pobres famílias.

O Flamengo foi ao Equador e, aparentemente não tomou cuidados com o vírus. Uma delegação enorme, fotos sem máscaras e dias no Equador que poderiam ser evitados com a volta ao Brasil.

E, com muitos infectados, o Flamengo se recusa a enfrentar o Palmeiras. Foi à Justiça.

Nota. O jogo não deveria ser realizado. O campeonato não deveria ser realizado. Mas foi o Flamengo que pediu.

O Flamengo quer a volta do público, mesmo com seu time todo infectado. 19 clubes são contra. O Flamengo não aceita e...vai à Justiça.

O Flamengo não quer jogar contra o Furacão. E vai pra Justiça.

O Flamengo conseguiu com Bolsonaro a Lei do Mandante. Transmitiu, com sua tv, o jogo contra o Fluminense. Quando o mando era do Fluminense, foi à Justiça.

O Flamengo só não vai à Justiça contra a Conmebol. Algum motivo deve ter.

O Flamengo processa jornalistas. Uma forma de censura. Aliás, existe um blog que vive pedindo que o Flamengo processe jornalistas. Deve ser terrível, para quem tem um mínimo de ética, ganhar a vida assim.

Michele Bolsonaro diz que vai processar Os Detonautas por causa de uma música. Censura.

Clube Tribunal Flamengo.

Tem comportamento de coronéis do interior e seus ternos de linho branco.

Sabe com quem está falando?

Eu te processo.

Novo rico que não aceita derrotas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon