PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

Não é só futebol, Roni e Mano

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

17/09/2020 11h02

O treinador consagrado, chegando aos 60. O garoto cheio de sonhos, saindo dos 20. Mano Menezes e Roni se encontraram em Itaquera, cada um de um lado, unidos na velha máxima "não é só futebol".

Unidos na alegria e na tristeza, como no casamento, como na vida.

Para Mano, só tristeza. E não apenas pela segunda derrota seguida em dois jogos. É o de menos, não é muito comum em sua carreira, mas dá pra levar.

A tristeza vem da separação definitiva de um amigo, Dudu, preparador físico com quem trabalhou por muito tempo. Morreu aos 49 anos. No dia do jogo.

Mano parecia o mesmo: sanguíneo, falando sem parar com os árbitros, reclamando de tudo. Mas não era o mesmo. Nunca mais será. Sempre haverá a saudade do amigo que se foi. Para ele, o 3 x 2 contra o Corinthians será o jogo do Dudu. A notícia veio após a derrota. A confirmação do que ele já esperava. E previa.

Roni entrou em campo como um veterano. Gritando com os companheiros, nenhuma inibição pela estreia. Livre e solto por estar cumprindo, enfim, a promessa feita ao irmão Tupã.

Revelação da base palmeirense, Tupã nem estreou no profissional. Um problema cardíaco impediu. Amargurado, foi jogar na várzea, ganhar jogo a jogo. E sonhando ainda com o profissionalismo. Não houve final feliz. Morreu.

Em algum momento, Roni, bem mais novo, lhe garantiu que cuidaria dos pais. Daria uma casa a eles. O dinheiro viria da bola. Tupã sorriu com a ousadia do moleque abusado? Morreu mais tranquilo com a promessa? Ninguém sabe.

A promessa foi cumprida, com gol e tudo.

Roni fez um gol e se lembrou da promessa feita ao irmão morto. Foi fundamental na derrota de Mano, que chorava o amigo morto.

Alegria e tristeza de Roni. Só tristeza de Mano.

Alegria e tristeza.

É a vida.

Alegria e tristeza.

É o futebol.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon