PUBLICIDADE
Topo

Thiago Silva, capitão sem alma, foi despedido

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

11/06/2020 11h43

O PSG, através de Leonardo, avisou a Thiago Silva que seu contrato não será reformado. Com 35 anos, não terá ofertas de três anos na Europa. Como ocorreu com Daniel Alves. E os dois continuam na seleção brasileira, firmes para o Mundial de 2022. Só Tite salva veteranos.

Thiago Silva é um zagueiro acima da média. Sem esquecer suas qualidades técnicas, para mim sempre será o pior capitão que a seleção já teve.

Seu choro descontrolado diante do Chile, antes da decisão por pênaltis na Copa-14, é inexplicável e imperdoável. Ele deveria estar incentivando os companheiros, dando ânimo a Júlio Cesar - como Mascherano fez com Sérgio Romero diante da Holanda - e em vez disso, desmontou. Era a cara da derrota anunciada.

Teve a sorte de estar fora do 7 x 1 contra a Alemanha. No ano seguinte, 2015, fez um pênalti ridículo contra o Paraguai, na Copa América.

E continua jogando. Até quando? Na Europa, por dois anos. No Brasil, mais. Na seleção, por décadas, se depender de Tite.

O Monstro é uma ovelhinha do treinador.

Menon