PUBLICIDADE
Topo

Landim mostra alinhamento com política irresponsável de Bolsonaro

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

09/05/2020 04h00

O Brasil tem 9 mil mortos pelo Coronavirus.

O presidente faz de tudo para acabar com a quarentena

O Flamengo tem três jogadores infectados pelo Coronavirus. E mais 35 funcionários.

O presidente faz de tudo para apressar a volta aos treinamentos.

O presidente do Brasil talvez mude de ideia se perder um ente querido.

O presidente do Flamengo já perdeu um funcionário muito querido, o massagista Jorginho, que tinha 40 anos no clube.

Os empresários que acompanharam o presidente ao STF falam em morte do CNPJ.

Uma maldade, sem sentido. Uma desculpa ignóbil.

O Flamengo nem pode utilizá-la. Suas contas estão ótimas. É o que a diretoria tem apregoado constantemente, em alto e bom som.

É muita insensibilidade. Mão duríssima para negociar com famílias de garotos queimados. Demissão de sobreviventes. Demissão de funcionários e agora a tentativa de voltar.

E há o argumento que mais parece uma confissão. O clube diz que "está trabalhando em total sintonia com as autoridades governamentais".

Sim, as mesmas que fazem de tudo para desrespeitar o que indica a Organização Mundial de Saúde.

Landim é um Bolsonaro que não coloca ketchup no milho cozido.

Tomara.

Menon