PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que as seleções terão só uma semana de treino antes da Copa do Qatar

Tite terá pouco tempo com Neymar na véspera da Copa do Mundo de 2022 - Getty Images
Tite terá pouco tempo com Neymar na véspera da Copa do Mundo de 2022 Imagem: Getty Images
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

13/11/2021 04h00

Não haverá como em outros Mundiais tempo para as seleções treinarem nos dias que antecedem à Copa do Mundo do Qatar, que será disputada entre 21 de novembro e 18 de dezembro de 2022. O torneio ocorrerá no fim do ano, e não entre junho e julho como tradicionalmente é feito, para minimizar o calor do Oriente Médio.

A Fifa definiu há algum tempo que os clubes são obrigados a liberar seus jogadores a partir de 14 de novembro, uma semana antes do início da competição. Nos últimos dois Mundiais, os jogadores convocados ganhavam uma semana de folga obrigatória antes de se apresentarem a 18 dias do jogo de abertura. Ou seja, os treinadores tinham mais de duas semanas de preparação com seus atletas descansados.

Mas por que essa diminuição? Por causa da mudança de data da Copa do meio para o fim do ano. Quando realizado entre junho e julho, o Mundial não coincide com os principais campeonatos na Europa, que terminam em maio. No fim do ano não haveria como abrir uma janela longa de liberação dos jogadores e parar competições por quase dois meses.

Havia, mesmo assim, expectativa com relação a quando os principais campeonatos vão parar, o que poderia garantir a liberação de alguns atletas antecipadamente, dando mais tempo de trabalho aos técnicos das seleções. Os primeiros calendários divulgados frustraram quem pensava assim e mostram que os torneios devem usar o limite para paralisar as atividades. A CBF anunciou na semana passada que o Brasileirão 2022 terminará dia 13 de novembro e Tite só terá os jogadores convocados que atuam no Brasil se apresentando a uma semana da Copa.

Mas a notícia ruim veio da Inglaterra. A Premier Legue, liga que organiza o campeonato local, anunciou que vai parar também só na véspera da liberação. O futebol inglês é o que mais serve jogadores para Tite —somente para essa janela de jogos de novembro foram nove chamados, 40% da lista de 23.

Outras ligas importantes, como a espanhola e a francesa (que tem Neymar no PSG) devem seguir esse calendário limite. Para tentar minimizar esse problema, a Fifa criou, como a coluna já mostrou, uma superjanela de jogos de seleções, 16 dias entre 30 de maio e 14 de junho (normalmente são nove), em que os times poderão jogar até quatro vezes (são duas partidas habitualmente).

A última data-Fifa antes da Copa será em setembro, os nove dias de sempre entre 19 e 27 com a possibilidade de realizar dois jogos. A janela que normalmente é marcada para outubro foi cancelada para que as ligas possam antecipar partidas, já que ficarão um mês paradas entre novembro e dezembro.