PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Conmebol vê conduta violenta e Léo Pereira pode perder fim da Libertadores

Léo Pereira em ação contra o Barcelona do Equador, no Maracanã, pela Libertadores - Marcelo Cortes/CRF
Léo Pereira em ação contra o Barcelona do Equador, no Maracanã, pela Libertadores Imagem: Marcelo Cortes/CRF
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

23/09/2021 15h02

A Unidade Disciplinar da Conmebol abriu procedimento contra o zagueiro Léo Pereira, do Flamengo, com base no artigo 16.1 B de seu código de disciplina por causa da cotovelada que o zagueiro deu em León, do Barcelona (EQU), no finalzinho da vitória flamenguista por 2 a 0, na noite de quarta-feira. O texto prevê uma suspensão de no mínimo dois jogos, caso assim decida o tribunal da entidade, o que tiraria o jogador de uma eventual final da Libertadores.

O artigo diz que haverá "suspensão por no mínimo dois jogos na competição, ou por período de tempo específico, por conduta violenta ou por agredir a jogadores ou qualquer outra pessoa presente na partida, menos os oficiais".

O árbitro Andrés Cunha colocou na súmula da partida que Léo Pereira teve uma conduta violenta. Escreveu Cunha: "Foi expulso o jogador número 4 do Flamengo, Leonardo Pereira, aos 88 minutos por conduta violenta. Com a bola parada e antes de um escanteio, aplica um golpe com seu cotovelo contra o pescoço de um rival. Não estava advertido e acatou a decisão".

Diferentemente dos tribunais desportivos brasileiros, que têm uma procuradoria que denuncia e depois, se acatada pelos membros das comissões, há um julgamento com a presença dos advogados do clube, a Conmebol usa procedimentos realizados em outros países. Sua Unidade Disciplinar avalia a súmula dos jogos e decide se abre ou não um procedimento, que depois é repassado ao tribunal.

A partir daí o caso é analisado por um dos cinco representantes da Comissão de Disciplina (o tribunal) — o clube pode se defender por escrito. É esse membro, sozinho, quem define se haverá e qual será a punição. Dependendo da decisão pode se recorrer ao Comitê de Apelação da Conmebol e em casos mais graves, depois, ao Tribunal Arbitral do Esporte na Suíça.

O Flamengo tem até 28 de setembro para enviar a defesa no caso de Léo Pereira — ele já está suspenso do jogo de volta da semifinal contra o Barcelona, que será na próxima quarta-feira, pela punição automática em casos de cartões vermelhos.

Lances parecidos com o dele, entretanto, têm rendido punições acima de dois jogos de suspensão, o que o deixaria de fora da final da Libertadores, marcada para 27 de novembro em Montevidéu, no Uruguai, caso claro o Flamengo se classifique.