PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Marcel Rizzo


Conmebol quer menos VAR na Copa América-2020; no Brasil foram 24 revisões

VAR foi utilizado em 2019 pela primeira vez na Copa América - André Soares/Madureira EC
VAR foi utilizado em 2019 pela primeira vez na Copa América Imagem: André Soares/Madureira EC
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

06/02/2020 10h38

Classificação e Jogos

O VAR alterou a decisão do árbitro em 85% das revisões feitas na Copa América de 2019, realizada no Brasil. O número oficial de 24 revisões está no estudo técnico da competição enviado às confederações filiadas no início de fevereiro e foi considerado razoável pela comissão de arbitragem da Conmebol, apesar de ser três vezes maior do que as realizadas na Copa do Mundo da Rússia em 2018 (20 em 64 partidas). Há pretensão de diminuir as intervenções para a Copa América de 2020.

Das 24 revisões nos 26 jogos do torneio que teve o Brasil campeão, 20 tiveram decisão de campo alterada e quatro mantiveram a marcação inicial do árbitro. Dezoito foram feitas no monitor à beira do gramado pelo árbitro principal, que é usado em casos subjetivos como bola na mão em lance de pênalti. As outras seis foram diretamente pelos profissionais do VAR.

Em 12 das 24 revisões o lance foi relacionado a pênalti, oito em gols (contando impedimentos) e quatro para cartões vermelhos. A avaliação interna foi de que a orientação da Fifa e da Ifab, o órgão que regula o futebol, de usar o VAR somente em casos de erros claros e óbvios foi seguida na maioria dos casos, mas que pode haver menos intervenções e maior velocidade na avaliação das revisões para que o confronto fique menos tempo parado.

Havia preocupação da cúpula da Conmebol de parada excessiva do jogo em casos de revisão, principalmente quando o árbitro vai até a beira do gramado para ver lances subjetivos. Ainda há essa preocupação da confederação sul-americana e eles pretendem sugerir à Ifab que enquanto houver a checagem o tempo corrido do cronômetro pare, o que seria algo inédito no futebol.

Para a Copa América de 2020, que será realizada em sede conjunta na Argentina e na Colômbia, a Conmebol espera até mais revisões em números absolutos porque serão mais partidas: apesar dos mesmos 12 participantes, o regulamento mudou e serão 38 jogos em vez de 26. Mas espera que a média de quase uma por jogo diminua, além do tempo que será gasto para o uso do árbitro de vídeo.

Marcel Rizzo